Notícias deslizantes

Menu

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Papa Francisco

Resultado de imagem para Papa Francisco

Francisco (em latim: Franciscus; Buenos Aires, 17 de dezembro de 1936), nascido como Jorge Mario Bergoglio, é o 266.º Papa da Igreja Católica e atual Chefe de Estado do Vaticano, sucedendo o Papa Bento XVI, que abdicou ao papado em 28 de fevereiro de 2013.

É o primeiro papa nascido no Novo Mundo, o primeiro latino-americano, o primeiro pontífice do hemisfério sul, o primeiro papa a utilizar o nome de Francisco, o primeiro pontífice não europeu em mais de 1200 anos e também o primeiro papa jesuíta da história. Tornou-se Arcebispo de Buenos Aires em 28 de fevereiro de 1998 e foi elevado ao cardinalato em 21 de fevereiro de 2001 - véspera da festa da Cátedra de São Pedro -, com o título de Cardeal-presbítero de São Roberto Belarmino, pelo Santo Padre São João Paulo II. Foi eleito papa em 13 de março de 2013.

Infância e juventude

O jovem Jorge Mario (quarto menino em pé, na terceira fileira) no tempo em que estudava no Colégio Salesiano de Buenos Aires.

Jorge Mario Bergoglio nasceu numa família de imigrantes italianos. O seu pai, Mario Giuseppe Bergoglio Vasallo, nascido em Portacomaro em 2 de abril de 1908 e falecido em 1959, era um trabalhador ferroviário e sua mãe, Regina Maria Sivori Gogna, nascida em Buenos Aires, de pais genoveses, em 28 de novembro de 1911 e falecida em 8 de janeiro de 1981, era dona de casa. Os dois se casaram em Buenos Aires no dia 12 de dezembro de 1935. Mario Giuseppe também jogava basquetebol no San Lorenzo, um dos cinco grandes do futebol argentino e cujas origens haviam sido impulsionadas por um padre. Jorge tornar-se-ia torcedor sanlorencista, já tendo afirmado que não perdeu nenhum jogo do título argentino de 1946, quando tinha então dez anos.[5] Em carta aos dirigentes do clube que o visitaram uma semana após tornar-se Papa, relembrou: "Tem vindo à minha memória belas recordações, começando desde a minha infância. Segui, aos dez anos, a gloriosa campanha de 1946. Aquele gol de Pontoni!".[6][7]

Nascido e criado no bairro de Flores,[8] atual sede do San Lorenzo,[5] o Papa Francisco é o mais velho de cinco filhos, tendo como irmãos: Oscar Adrian Bergoglio (nascido em 30 de janeiro de 1938 e já falecido), Marta Regina Bergoglio (nascida em 24 de agosto de 1940 e falecida em 11 de julho de 2007), Alberto Horacio Bergoglio (nascido em 17 de julho de 1942 e falecido em 15 de junho de 2010) e Maria Elena Bergoglio (nascida em 7 de fevereiro de 1948). Jorge Bergoglio fez graduação e mestrado em química, na Universidade de Buenos Aires.[9] Na juventude, teve uma doença respiratória que numa operação de remoção lhe fez perder um pulmão.[10][11] Durante a sua adolescência, teve uma namorada, Amalia.[12][13][14] Segundo ela, Bergoglio chegou a pedi-la em casamento durante a época, tendo ele inclusive afirmado que, do contrário, se tornaria padre.[15][16][17]

Companhia de Jesus

Ingressou no noviciado da Companhia de Jesus em março de 1958. Fez o juniorado em Santiago, Chile. Graduou-se em Filosofia em 1960, na Universidade Católica de Buenos Aires. Entre os anos 1964 e 1966, ensinou Literatura e Psicologia, no Colégio Imaculada, na Província de Santa Fé, e no Colégio do Salvador, em Buenos Aires. Graduou-se em Teologia em 1969. Recebeu a ordenação presbiteral no dia 13 de dezembro de 1969, pelas mãos de Dom Ramón José Castellano. Emitiu seus últimos votos na Companhia de Jesus em 1973. Em 1973 foi nomeado Mestre de Noviços, no Seminário da Villa Barilari, em San Miguel. No mesmo ano foi eleito superior provincial dos jesuítas, na Argentina. Em 1980, após o período do provincialato, retornou a San Miguel, para ensinar em uma escola dos jesuítas.[9]

No período de 1980 a 1986 foi reitor da Faculdade de Filosofia e Teologia de San Miguel.[18] Após seu doutorado na Alemanha [carece de fontes], foi confessor e diretor espiritual em Córdoba. Além do espanhol, fala fluentemente italiano, alemão, francês e inglês, tendo razoáveis conhecimentos de português.

Episcopado

     
    20-1-2017 11.1.32 1

Em 20 de maio de 1992, o Papa João Paulo II o nomeou bispo auxiliar de Buenos Aires, com a sé titular de Auca (Aucensi).[18][22] Sua ordenação episcopal deu-se a 27 de junho de 1992, pelas mãos do cardeal Quarracino, de Dom Emilio Ogñénovich e de Dom Ubaldo Calabresi.[23] Em 3 de junho de 1997, foi nomeado arcebispo coadjutor de Buenos Aires.[24] Tornou-se arcebispo metropolitano de Buenos Aires no dia 28 de fevereiro de 1998.

Foi nomeado ordinário para os fiéis de rito oriental sem ordinário próprio,[nota 1]na Argentina, pelo Papa João Paulo II, em 30 de novembro de 1998.[25]

Cardinalato

Bergoglio enquanto Cardeal e Arcebispo de Buenos Aires, em 2008.

Foi criado cardeal no Consistório Ordinário Público de 2001,[26] ocorrido em 21 de fevereiro de 2001, presidido pelo Papa João Paulo II, recebendo o título de cardeal-presbítero de São Roberto Belarmino[18]. Quando foi nomeado, convenceu centenas de argentinos a não viajarem para Roma. Em vez de irem ao Vaticano celebrar a nomeação, pediu que dessem o dinheiro da viagem aos pobres.

Foi membro dos seguintes dicastérios na Cúria Romana:

Pontificado

Eleição

 Conclave de 2013

Papa Francisco, recém-eleito, na sua primeira aparição pública, na varanda central da Basílica de São Pedro.

O cardeal Bergoglio foi eleito em 13 de março de 2013, no segundo dia do conclave, escolhendo o nome de Francisco. Ele é o primeiro jesuíta a ser eleito Papa, o primeiro Papa do continente americano, do Hemisfério Sul e o primeiro não europeu investido como bispo de Roma em mais de 1 200 anos, desde Papa Gregório III, que nasceu na Síria e governou a Igreja Católica entre 731-741.

Quando lhe foi perguntado, na Capela Sistina, se aceitava a escolha, disse: "Eu sou um grande pecador, confiando na misericórdia e paciência de Deus, no sofrimento, aceito".[36] O anúncio (Habemus Papam) foi feito por Jean-Louis Tauran:

Annuntio vobis gaudium magnum:
Anuncio-vos com grande alegria

habemus Papam!
temos um Papa!

Eminentissimum ac Reverendissimum Dominum,
O Eminentíssimo e Reverendíssimo Senhor

Dominum Georgium Marium
Sr. Jorge Mario

Sanctæ Romanæ Ecclesiæ Cardinalem Bergoglio
Cardeal da Santa Igreja Romana, Bergoglio

qui sibi nomen imposuit Franciscum.
que adotou o nome de Francisco.

[37]

O Papa Francisco apareceu ao povo na sacada (ou varanda) central da Basílica de São Pedro por volta das 20 horas e 30 minutos (hora de Roma). Vestindo apenas a batina papal branca, acompanhou a execução da Marcha Pontifical e saudou a multidão com um discurso:

Cquote1.svg
Irmãos e irmãs, boa noite!

Vós sabeis que o dever do Conclave era dar um Bispo a Roma. Parece que os meus irmãos Cardeais tenham ido buscá-lo quase ao fim do mundo… Eis-me aqui! Agradeço-vos o acolhimento: a comunidade diocesana de Roma tem o seu Bispo. Obrigado! E, antes de mais nada, quero fazer uma oração pelo nosso Bispo Emérito Bento XVI. Rezemos todos juntos por ele, para que o Senhor o abençoe e Nossa Senhora o guarde.

Cquote2.svg

O Papa rezou as orações do Pai Nosso, Ave Maria e Glória ao Pai, dedicando-os ao Papa Emérito. Em seguida, completou:


E agora iniciamos este caminho, Bispo e povo... este caminho da Igreja de Roma, que é aquela que preside a todas as Igrejas na caridade. Um caminho de fraternidade, de amor, de confiança entre nós. Rezemos sempre uns pelos outros. Rezemos por todo o mundo, para que haja uma grande fraternidade. Espero que este caminho de Igreja, que hoje começamos e no qual me ajudará o meu Cardeal Vigário, aqui presente, seja frutuoso para a evangelização desta cidade tão bela!

E agora quero dar a bênção, mas antes… antes, peço-vos um favor: antes de o Bispo abençoar o povo, peço-vos que rezeis ao Senhor para que me abençoe a mim; é a oração do povo, pedindo a Bênção para o seu Bispo. Façamos em silêncio esta oração vossa por mim.

O Papa abaixou a cabeça em sinal de oração, e toda a praça silenciou por um momento. Por fim, realizou sua primeira bênção Urbi et Orbi, e despediu-se da multidão dizendo "Boa noite, e bom descanso!".[38]

Nome papal

Ao ser eleito, o novo pontífice escolheu o nome de Francisco. Segundo o próprio, uma referência a Francisco de Assis fazendo referência à "sua simplicidade e dedicação aos pobres" e motivado pela frase dita por Dom Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo, logo após sua eleição, ainda na Capela Sistina: "Não esqueça dos pobres".[39][40][41]. Francisco de Assis (1182 — 1226), padroeiro da Itália, foi o fundador da família franciscana.

Cquote1.svg
Muitos disseram que me deveria chamar Adriano como o grande reformador Adriano VI, ou Clemente, em vingança contra Clemente XIV, que aboliu a Companhia de Jesus.

Alguns não sabiam por que tinha escolhido o nome Francisco, e interrogavam-se se seria por Francesco Saverio,[42] Francisco de Sales[43] ou Francisco de Assis.[44] Foi por causa dos pobres que pensei em Francisco. Depois, enquanto o escrutínio prosseguia, pensei nas guerras, e assim surgiu o homem da paz, o homem que ama e protege a criação, com o qual hoje temos uma relação que não é tão boa.

Cquote2.svg

O nome do pontífice não será acrescido do ordinal "I" (primeiro) em algarismo romano. Segundo a Santa Sé isso só acontecerá se, um dia, houver um papa Francisco II[45].

Encontro histórico com o Papa Emérito

No dia 23 de março de 2013 o papa Francisco, após um breve voo de helicóptero, chegou ao Palácio Pontifício de Castel Gandolfo, residência de verão dos papas, para um encontro com seu antecessor, o Papa emérito Bento XVI. O encontro entrou para a história por ter sido o primeiro entre dois papas em, pelo menos, 600 anos.[46] Após uma reunião de aproximadamente 45 minutos, os dois almoçaram e o Papa Francisco voltou ao Vaticano.[47][48]

Consagração do Estado do Vaticano

Na presença do seu antecessor, o papa emérito Bento XVI, e por ocasião da inauguração de um novo monumento nos jardins do Vaticano, da autoria do artista Giuseppe Antonio Lomuscio, o Papa Francisco consagrou no dia 5 de julho de 2013 o Estado da Cidade do Vaticano a São Miguel Arcanjo e a São José. Durante o ato solene de consagração, o Santo Padre pediu expressamente a São Miguel:

"Vele por esta cidade e pela Sé Apostólica, coração e centro do catolicismo, para que viva na fidelidade ao Evangelho e no exercício da caridade heroica" e implorou "Desmascare as insídias do demônio e do espírito do mundo. Faz-nos vitoriosos contra as tentações de poder, da riqueza e da sensualidade. Seja o baluarte contra todos os tipos de manipulação que ameaça a serenidade da Igreja; seja a sentinela de nossos pensamentos, que livra do assédio da mentalidade mundana; seja nosso paladino espiritual".

Em relação à consagração feita a São José, o Santo Padre proclamou:

"Queridos irmãos e irmãs, consagramos também o Estado da Cidade do Vaticano a São José, custódio de Jesus e da Sagrada Família. Que a sua presença nos torne mais fortes e corajosos em dar espaço a Deus na nossa vida, para vencer sempre o mal com o bem. Sob o seu olhar benevolente e sábio colocamos hoje com confiança renovada, os bispos e sacerdotes, as pessoas consagradas e os fiéis leigos que trabalham e vivem no Vaticano".[49].

Brasão e Lema

Brasão do Papa Francisco

Descrição

Escudo eclesiástico de blau, com um sol radiante e flamejante de jalde carregado do monograma IHS de goles, sobreposta a letra H de uma cruz do mesmo e três cravos de sable postos em pala, sob o monograma – armas da Companhia de Jesus - acompanhado em ponta de uma estrela de oito pontas senestrada de um ramo de flor de nardo, ambos de jalde. O escudo está assente em tarja branca, na qual se encaixa o pálio papal (omofório) branco com cruzetas de goles. O conjunto pousado sobre duas chaves decussadas, a primeira de jalde e a segunda de argente, atadas por um cordão de goles, com seus pingentes.[50]

Timbre

Uma mitra papal de argente, com três faixas de jalde. Sob o escudo, um listel de jalde com o mote: "MISERANDO ATQVE ELIGENDO", em letras de blau. Quando são postos suportes, estes são dois anjos de carnação, sustentando cada um, na mão livre, uma cruz trevolada tripla, de jalde.[50]

Interpretação

O escudo obedece às regras heráldicas para os eclesiásticos. Nele estão representadas armas da Companhia de Jesus, a qual pertence o pontífice, sendo que a cor blau (azul) simboliza o firmamento e o manto de Maria Santíssima e, heraldicamente, significa: justiça, serenidade, fortaleza, boa fama e nobreza; o sol (radiante de 16 pontas retilíneas e flamejante de dezesseis pontas ondeantes, alternadamente) representa Nosso Senhor Jesus Cristo, o “Sol da Justiça”, reforçado pelo monograma de Cristo: IHS (adotado por Santo Inácio em 1541) sobreposto pela cruz, que sendo de goles (vermelho) simboliza: o fogo da caridade inflamada no coração do Soberano Pontífice pelo Divino Espírito Santo, que o inspira diretamente do governo supremo da Igreja, bem como valor e o socorro aos necessitados, que o Vigário de Cristo deve dispensar a todos os homens.[50]

Os cravos, enquanto instrumentos da paixão, lembram a nossa redenção pelo sangue de Cristo e sua cor, sable (preto), representa: sabedoria, ciência, honestidade e firmeza. A estrela, de acordo com a antiga tradição heráldica, simboliza a Virgem Maria, mãe de Cristo e da Igreja;[50] enquanto a flor de nardo simboliza São José, patrono da Igreja Universal, que na tradição da iconografia hispânica, é representado com um ramo de nardo nas mãos.

Sendo ambos de jalde, têm o significado heráldico deste metal, já descrito acima. Colocando no seu escudo tais imagens, o Papa pretendeu exprimir a própria particular devoção a Nossa Senhora e ao seu castíssimo esposo. Somadas as três representações, têm-se a homenagem do pontífice à Sagrada Família: Jesus, Maria e José, modelo da família humana que devem ser defendidas pela Igreja. Os elementos externos do brasão expressam a jurisdição suprema do papa. As duas chaves decussadas, uma de jalde (ouro) e a outra de argente (prata) são símbolos do poder espiritual e do poder temporal.

E são uma referência do poder máximo do Sucessor de Pedro, relatado no Evangelho de São Mateus, que narra que Nosso Senhor Jesus Cristo disse a Pedro: "Dar-te-ei as chaves do reino dos céus, e tudo o que ligares na terra será ligado no céu, e tudo o que desligares na terra, será desligado no céu" (Mt 16, 19). Por conseguinte, as chaves são o símbolo típico do poder dado por Cristo a São Pedro e aos seus sucessores. A mitra pontifícia usada como timbre, recorda em sua forma e esmalte, a simbologia da tiara, sendo que as três faixas de jalde (ouro) significam os três poderes papais: Ordem, Jurisdição e Magistério, ligados verticalmente entre si no centro para indicar a sua unidade na mesma pessoa.

O pálio papal (omofório), muito usado nas antigas representações papais, simboliza ser o Papa pastor universal do rebanho que lhe foi confiado por Cristo. No listel, o lema " MISERANDO ATQVE ELIGENDO " (Com misericórdia o elegeu), foi retirado de uma homilia de São Beda, o Venerável, (Hom. 21; CCL 122, 149-151) que, comenta o evangelho de São Mateus (Mt 9,9), escrevendo "Vidit ergo lesus publicanum et quia miserando atque eligendo vidit, ait illi Sequere me' ("Viu Jesus a um publicano e, olhando-o com misericórdia, o elegeu e lhe disse: siga-me").

Este lema, presente na Liturgia das Horas da festa de São Mateus, é um tributo à misericórdia divina, tendo um significado especial e particular na vida e no itinerário espiritual do pontífice[51]

Opiniões éticas e sociopolíticas

Coat of arms of the Vatican City.svg

Portal do Vaticano

É ligado a setores católicos conservadores na Argentina no que se refere a teologia católica,[52] como o movimento de leigos Comunhão e Libertação,[53] contrário ao aborto, à eutanásia e ao casamento entre pessoas do mesmo sexo. Todavia, apresentou durante os anos de episcopado um forte impulso simplificador e modernizante no que se refere a prática e vida pastoral, em especial na administração arquidiocesana de Buenos Aires.

Evita aparições na mídia e possui hábitos simples. Utiliza o transporte coletivo e não frequenta restaurantes.[8] Aprecia música clássica, literatura e é associado[54] e torcedor do clube de futebol San Lorenzo de Almagro.[55][56]

Diálogos com a juventude

O Papa em conjunto com um grupo de rock progressivo Le Orme em 2015 lançou um disco musical chamado Wake Up![57], sendo que esta relação com o Rock teve precedente na época do Papa Bento XVI quando se organizou em 2007 um musical de Hard Rock baseado na obra Divina Comédia de Dante Alighieri.[58] Sua conta no Twitter ultrapassou quinze milhões de seguidores em agosto de 2014, sendo que a conta está escrita em nove idiomas.[59]

Tradicionalismo

Embora não seja conhecida especial ligação a nenhum movimento tradicionalista dentro da Igreja Católica, quando era Arcebispo de Buenos Aires, Dom Bergoglio foi um dos primeiros a aplicar as disposições do Motu Proprio Summorum Pontificum[60], no qual o Papa Bento XVI concede a todo e qualquer padre a faculdade de celebrar a missa no rito tridentino. Dois dias depois da promulgação do Motu Proprio, Dom Bergoglio concedeu uma capela para a celebração da missa tridentina.[61] Fontes tradicionalistas, porém, alegam que o capelão nomeado por Bergoglio para celebrar a Missa tridentina, uma vez por mês, introduzia, com o conhecimento do arcebispo, mudanças na celebração da missa tridentina, que o aproximavam da forma ordinária do Rito Romano, concluindo assim que a aplicação da Summorum Pontificum na arquidiocese de Buenos Aires, de facto, não existiu.[62]

As mesmas fontes, ligadas ao tradicionalismo na Argentina, afirmam ainda que, enquanto arcebispo de Buenos Aires, Bergoglio teve uma ação inibidora da Missa tridentina, alegadamente proibindo padres de a celebrar. Criticam ainda as suas ações ecuménicas e acusam-no de perseguir os padres que apresentassem um pendor mais tradicionalista, por exemplo, na forma de vestir.[63]

Bioética

O cardeal Bergoglio convidou os seus clérigos e os leigos para que se opusessem ao aborto e à eutanásia.[64] Na conclusão da missa do dia 12 de maio de 2013 na praça de São Pedro quando canonizou os Mártires de Otranto e duas religiosas latino-americanas, o Papa Francisco disse que é importante manter viva a atenção ao respeito pela vida humana desde o momento da concepção. Na ocasião declarou apoio expresso à iniciativa europeia Um de nós, para garantir a tutela jurídica do embrião, e lembrou que "um momento especial para quantos fazem questão de defender a sacralidade da vida humana será o "Dia da Evangelium vitae, que terá lugar no Vaticano, no contexto do Ano da Fé, a 15 e 16 de junho de 2013.", afirmou.[65] Papa Francisco reafirma ainda a condenação de práticas contracetivas artificiais.[66]

Relações homoafetivas

O pontífice é coerente com o Magistério da Igreja Católica com relação à homossexualidade: as práticas realizadas são consideradas intrinsecamente desordenadas, mas os homossexuais devem sempre ser respeitados, devendo procurar a castidade.[67][68][69] De tal forma, enquanto Bispo de Buenos Aires, opôs-se fortemente à legislação argentina que permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Tendo dito que: "se o projeto de lei que prevê às pessoas do mesmo sexo a possibilidade de se unirem civilmente e adotarem também crianças vier a ser aprovado, poderia ter efeitos seriamente danosos sobre a família."[70]. Já como Papa, naquela que foi considerada por alguns meios de comunicação como a mais ousada declaração de um Pontífice sobre o assunto, Francisco limitou-se a demonstrar um sentimento de acolhida ao homossexuais, dizendo que "não devem ser marginalizados, mas integrados à sociedade", em coerência com o proposto pelo Catecismo da Igreja Católica (1992):

Cquote1.svg
Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á, em relação a eles, qualquer sinal de discriminação injusta. Estas pessoas são chamadas a realizar na sua vida a vontade de Deus e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar devido à sua condição— Catecismo da Igreja Católica # 2358.[71].
Cquote2.svg

O Papa continua condenando fortemente o lobby gay, dentro e fora da Santa Sé.

Cquote1.svg
Se uma pessoa é gay e procura o Senhor e tem boa vontade, quem sou eu para a julgar? O Catecismo da Igreja Católica explica isso de forma muito bela, dizendo – esperem um pouco… como diz... -: «Não se devem marginalizar estas pessoas por isso, devem ser integradas na sociedade.[72]
Cquote2.svg

Justiça social

É conhecido por sua postura a favor da justiça social, tendo dito em 2007 que: "Vivemos na região mais desigual do mundo, a que mais cresceu e a que menos reduziu a miséria. A distribuição injusta de bens persiste, criando uma situação de pecado social que grita aos céus e limita as possibilidades de vida mais plena para muitos de nossos irmãos". Além disso, tal como Francisco de Assis lavava os pés dos leprosos, o Cardeal Bergoglio ganhou notoriedade em 2001 ao lavar os pés de 12 doentes de Aids em visita a um hospital [53].

Relações com o governo argentino

Bergoglio, então cardeal, foi denunciado em 2005 por supostas conexões com o sequestro, pela ditadura argentina, dos padres jesuítas Orlando Virgilio Yorio e Francisco Jalics, em 23 de maio de 1976, quando trabalhavam sob o comando de Bergoglio. A denúncia teve por base artigos jornalísticos e o livro Igreja e Ditadura, escrito por Emilio Mignone, fundador do Centro de Estudos Legais e Sociais (CELS)[73][74][75][76]. Além do trabalho de pesquisa de Mignone, também o livro El Silencio de Horacio Verbitsky, membro do grupo guerrilheiro de extrema-esquerda Montoneros, faz referência a supostas ligações com a ditadura. No capítulo "As Duas Faces do Cardeal", Verbitsky explora o eventual papel de agente duplo desempenhado por Bergoglio junto à ditadura argentina. Segundo o autor do livro, que alega ter acesso a documentos do Ministério das Relações Exteriores e do Culto da Argentina, Bergoglio "vai à Chancelaria, pede um trâmite em favor do sacerdote (Jalics), mas, por baixo do pano, diz para não o concederem porque se trata de um subversivo".[77][78] Bergoglio também foi acusado de não contribuir com as investigações sobre o desaparecimento de cidadãos argentinos, incluindo bebês, durante a ditadura, período em que dirigia a ordem jesuíta da Argentina.[79]

Francisco com a presidente argentina Cristina Kirchner no Vaticano, março de 2013.

Porém, todas essas denúncias foram desmentidas por pessoas envolvidas direta ou indiretamente nos fatos. O próprio Francisco Jalics desmentiu de forma categórica as insinuações, numa declaração sua publicada no site da ordem jesuíta alemã: "O missionário Orlando Yorio e eu mesmo não fomos denunciados pelo padre Bergoglio."[80]

Sergio Rubin,[81] o seu biógrafo autorizado, relatou que Bergoglio, após a prisão dos dois sacerdotes, trabalhou nos bastidores para a sua libertação e intercedeu, de forma privada e pessoal, junto do ditador Jorge Rafael Videla: a sua intercessão poderia ter contribuído para a posterior libertação destes sacerdotes. Ele também relatou que, em segredo, Bergoglio deu frequentemente abrigo a pessoas perseguidas pela ditadura em propriedades da Igreja, e houve uma vez que chegou mesmo a dar os seus próprios documentos de identidade a um homem que se parecia com ele, para que pudesse fugir da Argentina.[82]

Também o vencedor do Prêmio Nobel da Paz de 1980, o argentino Adolfo Pérez Esquivel, refutou todas as acusações referentes ao Papa Francisco. Esquivel, perseguido pela ditadura, afirmou que alguns bispos foram cúmplices do regime, mas não foi o caso de Bergoglio.[83] A argentina Graciela Fernández Meijide, membro da organização não governamental "Assembleia Permanente para os Direitos Humanos" (APDH) e ex-membro da Comissão Nacional sobre o Desaparecimento de Pessoas (CONADEP), também declarou que não há provas que ligam Bergoglio com a ditadura. Numa entrevista ao Clarín (15 de Março de 2013), ela afirmou que "não há informação e a Justiça não conseguiu provar [esta ligação]. Eu estava na APDH durante todos os anos da ditadura e recebi centenas de depoimentos. Bergoglio nunca foi mencionado. Aconteceu o mesmo na CONADEP. Ninguém falou dele nem como instigador nem como nada."[84]

O ex-promotor argentino, Julio Strassera,[85] que ganhou notoriedade por seu trabalho de investigação e acusação no histórico julgamento das juntas militares, afirmou também que é "uma canalhice" vincular o Papa Francisco com a última ditadura argentina (1976-1983). "Tudo isto é uma canalhice, absolutamente falso, em todo o julgamento não houve uma só menção a (Jorge) Bergoglio", declarou Strassera a "Rádio Mitre", em referência ao julgamento das juntas militares no qual atuou como promotor em 1985. Após a eleição de Bergoglio como Papa, organizações de direitos humanos denunciaram o papel da Igreja na ditadura e lembraram que o cardeal argentino depôs como testemunha em duas causas por delitos de lesa-humanidade. Para Strassera, estas acusações estão motivadas, porque nem a presidente argentina, Cristina Kirchner, nem os seus partidários "podem suportar que alguém a quem desprezaram antes esteja acima deles".[86]

O jornalista italiano Nello Scavo relata em seu livro A lista de Bergoglio, como o jesuíta Bergoglio, no período da ditadura argentina (1976-1983), constituiu uma rede clandestina para proteger pessoas perseguidas e ajudá-las a fugir dos militares.[87][88]

Nos seus últimos anos como arcebispo de Buenos Aires, a relação entre Bergoglio e os Kirchner se tornou ainda mais turbulenta com a aprovação das leis sobre o aborto e o casamento homossexual na Argentina. Após todas estas desavenças, o Papa recebeu em 18 de março de 2013 a presidente Cristina Kirchner para um almoço, em um gesto que o Vaticano considerou "de cortesia e afeto" para com a chefe de Estado e o povo argentino, e não uma visita formal ou de Estado.[89][90]

Proteção do meio ambiente

Na homilia da missa inaugural de seu pontificado, o Papa Francisco reiterou o exemplo de Francisco de Assis de respeitar todas as criaturas de Deus e o ambiente em que vivem. Na mesma ocasião, fez um apelo aos governantes e a todas as pessoas para que cuidem do meio ambiente. Em outras palavras: que se desenvolvam sem destruir o que é de Deus.[91]

No dia 18 de junho de 2015, lançou a Encíclica Laudato si' sobre o cuidado com a casa comum, em que faz duras críticas à devastação ambiental, ao modelo de desenvolvimento vigente e à falta de responsabilidade com os mais pobres. Propõe uma Ecologia Integral e uma conversão e educação ecológicas.

Luta contra os abusos sexuais na Igreja

Em 5 de abril de 2013 o Papa Francisco, em audiência com o prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, arcebispo Gerhard Ludwig Müller, pediu que a congregação continue com a linha desenvolvida por Bento XVI, agindo de forma decisiva contra o abuso sexual de menores por membros da Igreja Católica, promovendo medidas para a proteção e ajuda às crianças que sofreram esse tipo de violência e auxiliando nos processos contra os culpados. Essas ações devem reafirmar o compromisso das Conferências Episcopais na formulação e aplicação das diretivas necessárias nesta área, tão importantes para o testemunho da Igreja e sua credibilidade.[92]
Seguindo essa linha de conduta, o Papa assinou em 11 de julho de 2013 um decreto de Motu proprio, reformando o código penal do Vaticano e tornando mais rígidas as sanções para este tipo de crime.[93]

Em 22 de março de 2014, nomeou os oito primeiros integrantes da "Comissão de Proteção às Crianças", órgão instituído por ele em 2013 para combater mundialmente os abusos sexuais de menores na Igreja Católica.[nota 2] Em abril de 2014, o Papa pediu perdão pelos casos de pedofilia e abusos sexuais cometidos por sacerdotes da Igreja Católica.[95]

Em uma decisão inédita na história da Igreja Católica, em setembro de 2014 o Papa Francisco ordenou pessoalmente a prisão do ex-arcebispo e ex-embaixador da Santa Sé, o polonês Jozef Wesolowskide, acusado de abusos sexuais durante o período de 2008 a 2013, quando era representante diplomático da Igreja Católica na República Dominicana.[96]

Predomínio do culto às riquezas na sociedade

Em discurso na apresentação das cartas credenciais de embaixadores na Santa Sé em 16 de maio de 2013,[97][98] o Papa fez menção que a solidariedade é o verdadeiro tesouro do homem e que o culto ao dinheiro produz desigualdades e injustiças contra corações e contra povos. Citando São João Crisóstomo, exortou a solidariedade desinteressada:

Cquote1.svg
O dinheiro deve servir e não governar!
Cquote2.svg

Citou ainda as causas e consequências éticas da chamada crise econômica mundial:

Cquote1.svg
Criámos novos ídolos. A adoração do antigo bezerro de ouro [nota 3] encontrou uma nova e cruel versão na idolatria do dinheiro e na ditadura de uma economia realmente sem fisionomia nem finalidade humanas(...) E porque não dirigirem-se a Deus para que lhes inspire os seus desígnios!? Formar-se-á então uma nova mentalidade política e económica, que contribuirá para transformar a profunda dicotomia entre as esferas económica e social numa sã convivência.[nota 4]
Cquote2.svg

Banco do Vaticano

No início de seu pontificado, o Papa Francisco nomeou uma comissão a fim de aconselhá-lo para uma reforma financeira no oficialmente chamado Instituto para as Obras de Religião(IOR), conhecido como Banco do Vaticano, uma das instituições mais polêmicas da Igreja, sendo ligada a escândalos de corrupção e lavagem de dinheiro. A intenção do Papa com a comissão, formada por quatro prelados e um leigo especialista em direito, é harmonizar as atividades do IOR com a verdadeira missão da Igreja.[99]

Desperdício de comida e fome no mundo

Durante uma audiência semanal na Praça de São Pedro, Francisco criticou diretamente quem desperdiça alimentos e contribui para a desigualdade no mundo:

Cquote1.svg
Deus confiou ao homem e à mulher o cultivo e o cuidado da Terra, para que todos pudessem morar nela, mas o egoísmo e a cultura do desperdício levaram ao descarte das pessoas mais fracas e necessitadas. Mais ainda, em muitas partes do mundo, apesar da fome e da desnutrição existentes, muitos alimentos são desperdiçados.
Cquote2.svg

O Papa salientou que a comida jogada fora é como que roubada dos que não podem tê-la, é como tirar da mesa dos pobres; e dar mais atenção ao dinheiro que à vida humana indefesa é indignante:

Cquote1.svg
Os alimentos jogados no lixo são alimentos roubados da mesa do pobre, de quem tem fome. A ecologia humana e a ecologia ambiental são inseparáveis,(...) vemos agora a crise no meio ambiente, mas a vemos, sobretudo, no homem. A pessoa humana está hoje em perigo! (...) Na cultura do desperdício, se morrem homens e crianças não é notícia; mas se a bolsa cai é uma tragédia. (...) Acaba-se por descartar as pessoas. Deixa-se de respeitar a vida, sobretudo se é pobre ou incapacitada, ou se ainda não é útil, como a criança que vai nascer, ou se não serve mais, como o idoso.[100]
Cquote2.svg

E aos membros da FAO o Papa disse sobre possíveis soluções para o problema da fome:

Cquote1.svg
Sabe-se que a produção é suficiente e mesmo assim existem milhões de pessoas que sofrem e morrem de fome: isto constitui um verdadeiro escândalo. É necessário encontrar modos para que todos possam beneficiar dos frutos da terra, não só para evitar que aumente o abismo entre quem mais tem e quem deve se contentar com as migalhas, mas sobretudo por uma exigência de justiça e de equidade e de respeito por cada ser humano.[101]
Cquote2.svg

Cquote1.svg
Algo mais pode e deve ser feito a fim de fornecer um novo estímulo à atividade internacional em nome dos pobres, inspirado por algo mais do que mera boa vontade ou, ainda pior, as promessas que muitas vezes não têm sido mantidas. Nem pode a atual crise global continuar a ser usada como um álibi.[102]
Cquote2.svg

Teologia da Libertação

Roberto Bosca, da Universidade Austral de Buenos Aires, disse que apesar de ter a reputação de oponente, Bergoglio é de certa forma simpático à Teologia da Libertação, devido à sua premissa de opção pelos pobres, mas sem ser ideológico da TL.[carece de fontes]
Leonardo Boff, um dos mais proeminentes teólogos da Teologia da Libertação, também é otimista sobre a relação do Papa Francisco com os pobres: "O papa Francisco tem tanto o vigor como a ternura que precisamos para criar um novo mundo espiritual". E diz ainda que trabalham juntos para apoiar causas universais, como os direitos humanos, a partir da perspectiva dos pobres, o destino da humanidade que sofre, os serviços para as pessoas que vivem marginalizadas.[103]

Rachel Donadio do New York Times escreveu que os discursos de Francisco descrevem claramente os temas da Teologia da Libertação, um movimento que busca usar os ensinamentos do Evangelho para ajudar a libertar as pessoas da pobreza e que tem sido particularmente forte em sua terra natal, a América Latina. (...) "Mas o que está claro é que ele sempre foi contra as cepas da Teologia da Libertação que tiveram um elemento ideológico marxista".[104]

Outros afirmam que o Papa Francisco não é tão favorável à TL, como o jornalista investigativo Robert Parry, do Consortium News: "O novo papa não foi confortável com a Teologia da Libertação. É possível falar em nome dos pobres, sem apoio as verdadeiras mudanças fundamentais que estão presentes com a teologia da libertação", e que a abordagem dele se encaixa com a atitude da igreja ao longo dos séculos quanto aos pobres.[105]

Escrevendo na revista Tikkun, o autor Matthew Fox afirma sobre Bergoglio: "Este papa opôs-se à teologia da libertação e as comunidades de base na América Latina, sendo que a teologia da Igreja de base que levou a sério o ensinamento do Concílio Vaticano II que a Igreja é "o povo" não é a hierarquia. Muitos heróis desse movimento foram mortos e torturados em todo América Latina, Oscar Romero sendo o mais visível. Bergoglio em nenhum lugar foi visto junto com eles. Muito pelo contrário, ele lutou contra a teologia da libertação com unhas e dentes como chefe da conferência dos bispos e ele era um instigador eficaz, com atitudes papais nesse sentido(a CIA, sob o comando de Reagan estava ligada com o Papa João Paulo II para eliminar a teologia da libertação, como eu provo em meu livro, Guerra do Papa )".[106]

De acordo com Sandro Magister, o papa Francisco está mais preocupado com militantes do secularismo do que com a teologia da libertação. Magister afirma que Francisco se preocupa com a disseminação global de conceitos, incluindo legalização do aborto e casamento gay , que Francisco vê como o trabalho do diabo e do anticristo. Magister afirma que os objetivos da teologia da libertação são menos importantes para o Papa que lutar contra secularismo.[107]

Celibato dos padres

O jornalista Tracy Connor da NBC escreveu que o papa Francisco, em entrevista em 2012, comentou que podem haver mudanças nas leis do celibato. O celibato "é uma questão de disciplina, não de fé. No momento, eu sou a favor de manter o celibato, com todos os seus prós e contras, porque temos dez séculos de boas experiências ao invés de falhas.[...] A tradição tem peso e validade ". Ele observou que "nos bizantinos, ucranianos, russos e greco-católicos[...] os padres podem ser casados, mas os bispos têm que ser celibatários". Se, hipoteticamente, o catolicismo oriental fosse rever a questão do celibato, eu acho que iria fazê-lo por razões culturais (como no ocidente), não tanto como uma opção universal". Enfatizou ainda que, entretanto, a regra deve ser rigorosamente respeitada, e qualquer sacerdote que não possa obedecê-la "tem de deixar o ministério".[108]

Em 26 de maio de 2014, no retorno de sua viagem à Terra Santa, Francisco deu declarações de que “a porta sempre está aberta”.

Cquote1.svg
A Igreja católica tem padres casados. Católicos gregos, católicos coptas, existem no rito oriental. Por que não é um debate sobre um dogma, mas sobre uma regra de vida que eu aprecio muito e que é um dom para a Igreja. Por não ser um dogma da fé, a porta sempre está aberta.[109]
Cquote2.svg

Participação da mulher na Igreja

Francisco falou sobre a importância fundamental das mulheres na Igreja Católica, salientando que elas têm um papel especial na divulgação da fé, e que foram as primeiras testemunhas da ressurreição de Cristo.

Cquote1.svg
Somente homens são lembrados como testemunhas da ressurreição, os Apóstolos, mas não as mulheres. Isso porque, de acordo com a lei judaica da época, as mulheres e as crianças não eram consideradas confiáveis, testemunhas credíveis. Nos evangelhos, entretanto, as mulheres têm um papel fundamental primário. (...) As primeiras testemunhas (...) Isso é muito bonito, e essa é a missão das mulheres, das mães e das avós, para dar testemunho a seus filhos e netos que Cristo ressuscitou! Mães, adiante com este testemunho! O seu testemunho também nos leva a refletir sobre a forma como, na Igreja e no caminho da fé, as mulheres tiveram e ainda têm um papel especial na abertura de portas para o Senhor.[110]
Cquote2.svg

Quanto à possível ordenação de mulheres, o Papa confirmou em 2013, por ocasião de uma entrevista durante o voo de retorno à Itália, depois da XXVIII Jornada Mundial da Juventude, a posição definitiva da Igreja Católica, negando esta possibilidade, como já havia declarado pela última vez o então papa São João Paulo II na Carta Apostólica Ordinatio Sacerdotalis, publicada em maio de 1994:[111]

Cquote1.svg
E, quanto à ordenação das mulheres, a Igreja falou e disse: «Não». Disse isso João Paulo II, mas com uma formulação definitiva. Aquela porta está fechada. Mas, a propósito disso, eu quero dizer-lhe uma coisa. Eu já disse isso, mas repito. Nossa Senhora, Maria, era mais importante que os Apóstolos, os bispos, os diáconos e os presbíteros. A mulher, na Igreja, é mais importantes que os bispos e os presbíteros; o como é que devemos procurar explicitar melhor, porque eu acho que falta uma explicação teológica disso.[112]
Cquote2.svg

Tal posição também havia sido confirmada em outubro de 1995, pelo então prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, cardeal Joseph Ratzinger.[113]

Estilo pessoal

Papa Francisco em sua missa de inauguração de pontificado, 19 de março de 2013.

Sendo o Papa Francisco um Jesuíta, membro de uma ordem religiosa onde se professam votos de pobreza, é conhecido por um estilo pessoal despojado e frugal de viver. Durante seus anos como cardeal em Buenos Aires, vivia num pequeno e austero quarto atrás da Catedral Metropolitana e usava normalmente apenas transporte público, como metrô e ônibus, para se locomover,[114] além de cozinhar a própria comida.[115]

Eleito Papa, continuou a usar o crucifixo que usava enquanto cardeal que é de aço e não de ouro, como de costume com Papas anteriores.[115] Também optou por continuar a fazer uso de sapatos totalmente pretos, em vez dos tradicionais múleos, algo que, por exemplo, São João Paulo II fez em algumas vezes.

Mostrando desde o início do papado um estilo mais simples, coerente com a sua condição de jesuíta com votos de pobreza, Francisco dispensou a limusine blindada papal para comparecer a um primeiro encontro, na residência de Santa Marta, no dia seguinte de sua eleição, preferindo um veículo comum, e espantou a todos ao pagar pessoalmente a conta do hotel onde se hospedou para o Conclave, hotel este pertencente à própria Igreja Católica.[116] Dias depois de eleito, surpreendeu o telefonista de uma ordem jesuíta em Roma, ao ligar pessoalmente querendo falar com um padre amigo e anunciando-se ao atendente - nunca outro Papa fez ligações telefônicas diretamente, sempre feitas por assessores ou por seu secretário - ouvindo de volta: "Você é o novo Papa? Ah sim, e eu sou Napoleão!."[117] Na semana seguinte em que foi eleito, ele ligou direto do Vaticano para a banca da Praça de Maio, em Buenos Aires, onde comprava os seus jornais e revistas quando vivia na cidade, para cumprimentar o jornaleiro, seu amigo de muitos anos, e avisar que dificilmente voltariam a se ver. Nesta ocasião, ao ter sua chamada novamente confundida com um trote, foi chamado de "idiota".

Viagens apostólicas

Na Itália

Fonte: Santa Sé.

Ano

Período

Local(is)

Observações

2013

8 de julho

Ilha de Lampedusa

Missa e homenagens aos milhares de imigrantes norte-africanos que morreram durante a travessia para a ilha.

 

22 de setembro

Cagliari, na Ilha da Sardenha

Missa, encontros com trabalhadores desempregados e visitas, pela crise de desemprego na Ilha da Sardenha.

 

4 de outubro

Assis

Missa e encontros, celebrando a festa litúrgica de São Francisco de Assis.[nota 5]

2014

21 de junho

Cassano all'Ionio (Calábria)

Missa, encontro e visita, em solidariedade à comunidade que vivia uma situação de violência.[122]

 

5 de julho

Dioceses de Campobasso-Boiano e Isernia-Venafro

Missa e encontros, pela crise de desemprego na região de Molise.

 

26 de julho

Caserta

Missa e encontro, celebrando a festa litúrgica de Santa Ana, padroeira de Caserta.

 

13 de setembro

Sacrário de Redipuglia

 

2015

21 de março

Pompeia e Nápoles

Encontros, visitas e Missa. Visita pastoral em solidariedade à população local, pela crise econômica e social na região.[nota 6]

 

21 e 22 de junho

Turim

Dia 21: celebração e encontros com trabalhadores, religiosos, presidiários, enfermos e jovens. Visita à Catedral de Turim, com oração diante do Santo Sudário.

Dia 22: encontro ecumênico com pastores da Igreja Valdense.[nota 7]
Encontro, celebração e almoço com seus familiares.
[nota 8]

 

10 de novembro

Prato e Florença

Encontros com trabalhadores, com a comunidade carente, com participantes do Congresso Nacional da Igreja Italiana e celebrações.[nota 9]

Fora da Itália

Fonte: Santa Sé.

Ano

Período

País

Observações

2013

22 a 28 de julho

clip_image001 Brasil

Viagem apostólica por ocasião da XXVIII Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro.

2014

24 a 26 de maio

clip_image002Jordânia
clip_image003 Israel
clip_image004 
Palestina

Missas, encontros e visitas na Terra Santa, a lugares sagrados do cristianismo, judaísmo e islamismo, por ocasião do 50º aniversário do encontro em Jerusalém entre o Papa Paulo VI e o Patriarca Atenágoras.

 

13 a 18 de agosto

clip_image005 Coreia do Sul

Missas e encontros, por ocasião da VI Jornada da Juventude Asiática.

 

21 de setembro

clip_image006 Albânia

Missas e encontros em Tirana, pelos quase 25 anos da queda do regime comunista na Albânia e pela convivência pacífica entre as diferentes religiões.

 

25 de novembro

clip_image007 França

Visita ao Parlamento Europeu e ao Conselho da Europa em Estrasburgo. Discursos nas duas instituições, tratando de diversos temas relacionados à realidade europeia.

 

28 a 30 de novembro

clip_image008 Turquia

Missas, encontros e visitas a lugares sagrados em Ancara e Istambul. Encontro com o Sua Santidade, o Patriarca Bartolomeu I de Constantinopla, por ocasião do 50º aniversário do encontro em Jerusalém entre o Papa Paulo VI e o Patriarca Atenágoras.

2015

13 a 19 de janeiro

clip_image009 Sri Lanka
clip_image010 
Filipinas

Encontros, visitas em Colombo e Madhu. Missa por ocasião da canonização do Beato José Vaz.[nota 10]
Em Manila e Tacloban, encontros, visitas, celebrações e almoço com sobreviventes do tufão Yolanda (2013).
[nota 11]

clip_image011Ver artigo principal: Visita de Papa Francisco às Filipinas

 

6 de junho

clip_image012 Bósnia e Herzegovina

Visita à Presidência da República, encontro com autoridades, religiosos e jovens em Sarajevo. Santa Missa no Estádio Koševo.[nota 12]

 

5 a 12 de julho

clip_image013Equador
clip_image014 Bolívia
clip_image015 
Paraguai

Em Quito e Guayaquil, visitas ao Presidente da República, à Catedral de Quito, à “Iglesia de la Compañia”. Visitas, celebrações e encontros com religiosos, seminaristas e estudantes.
Em La Paz e Santa Cruz de la Sierra, visita ao Presidente do Estado Plurinacional da Bolívia e à Catedral de La Paz. Visitas, celebrações e encontros com religiosos, seminaristas e estudantes. Participação do II Encontro Mundial dos Movimentos Populares.
Em Assunção, visitas ao Presidente da República, à Catedral Metropolitana de Assunção. Visitas, celebrações e encontros com religiosos, seminaristas e jovens.

 

19 a 27 de setembro

clip_image016 Cuba
clip_image017 
Estados Unidos

Em Havana, Holguín e Santiago, celebrações, visita ao Presidente e ao Conselho dos Ministros da República, encontro com jovens.[nota 13]. Celebrações e encontros com religiosos e famílias.
Em Washington, visita ao Presidente, encontro com religiosos e missa de canonização do Beato Junípero Serra, visita ao Congresso dos Estados Unidos.
Em Nova Iorque, encontro com religiosos, celebrações, visita à sede da Organização das Nações Unidas e encontro com membros participantes da 70º Seção da Assembleia Geral da ONU,[nota 14] visita ao Memorial Ground Zero.
Na Filadélfia, encontro com religiosos e celebração, encontro com comunidades de imigrantes, encontro com vítimas de abusos sexuais, visita a presidiários, celebração de encerramento do 8º Encontro Mundial das Famílias.

 

25 a 30 de novembro

clip_image018 Quênia
clip_image019 Uganda
clip_image020
República Centro-Africana

Em Nairóbi, visitas, encontros com autoridades civis e religiosas (ecumênicas), celebração.[nota 15]
Em Entebbe e Kampala, visitas, encontros com autoridades civis e religiosas, seminaristas e jovens, celebração pelos Mártires de Uganda.
Em Bangui, encontros com autoridades civis e religiosas (ecumênicas), visita a campo de refugiados, celebração.
[nota 16][nota 17]

2016

12 a 18 de fevereiro

clip_image016[1] Cuba[nota 18]
clip_image021 
México

Em Havana, encontro com Cirilo, patriarca da Igreja Ortodoxa Russa. No encontro histórico, o primeiro entre dois chefes destas igrejas desde o Grande Cisma no ano de 1054, foi assinada uma declaração conjunta, de união fraternal entre as igrejas católica e ortodoxa em busca de diálogo, reconciliação e liberdade inter-religiosa.[131][nota 19]
Na Cidade do México, visita ao presidente da República, encontros com autoridades civis, diplomáticas e eclesiais. Celebração na Basílica de Guadalupe e visita a um hospital pediátrico.
Em Ecatepec, celebrações.
Em Chiapas celebração e encontro com comunidades indígenas e famílias em Tuxtla Gutiérrez[133] e visita ao túmulo de Samuel Ruiz em San Cristóbal de las Casas[134] [135].
Em Morelia, celebração com religiosos e encontro com jovens.
Em Ciudad Juárez, visita a um centro presidiário, encontro com trabalhadores e celebração.

 

16 de abril

clip_image022 Grécia

Visitas a refugiados na ilha de Lesbos, acompanhado de outros dois líderes cristãos: Bartolomeu I, patriarca ortodoxo de Constantinopla e Jerônimo II, primaz da Igreja da Grécia. Foi assinada pelos três líderes, uma declaração conjunta de comprometimento na defesa dos direitos dos refugiados. Francisco retornou ao Vaticano levando três famílias de refugiados, doze pessoas ao todo.[136][137]

 

24 a 26 de junho

clip_image023 Armênia

Em Ierevan e Guiumri, visitas e encontros com autoridades civis e religiosas. Declaração conjunta com Sua Santidade Karekin II pela maior proximidade entre a Igreja Apostólica Armênia e a Igreja Católica.[138] Celebrações e encontros ecumênicos. Visita ao Mosteiro de Khor Virap

 

26 a 31 de julho

clip_image024 Polónia

Viagem apostólica por ocasião da XXXI Jornada Mundial da Juventude, em Cracóvia.

 

30 de setembro a 2 de outubro

clip_image025 Geórgia
clip_image026 
Azerbaijão

Em Tiblisi, encontro com a comunidade dos Assírios e com Elias II da Igreja Ortodoxa Georgiana.
Em Baku, encontro inter-religioso com líderes muçulmanos do cáucaso.

 

Fonte: Wikipédia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Índice Por Categorias


Carregando...

Google+ Followers