Notícias deslizantes

Menu

terça-feira, 7 de março de 2017

O Martírio de Santa Perpétua e Santa Felicidade

Santas

Aconteceu no ano 203 na arena de Cartago, norte da África. Perpétua, aos 22 anos de idade, no dia 7 de março de 203, junto com a escrava Felicidade, com o catequista e mais 6 catecúmenos, foram mortos na perseguição do imperador Septímio Severo.

Víbia Perpétua era filha de um rico nobre de Cartago; era casada e tinha um filho pequeno e esperava outro. Por ser cristã foi presa com outros catecúmenos como Saturnino, Saturo e Secundo, e dois escravos Revocato e Felicidade. O procurador Hilariano foi encarregado de executá-los.

O pai de Perpétua lhe suplicou na prisão que apostatasse, sem nada conseguir. Perpétua não se deixava abater; na masmorra horrível encorajava os demais, e ali ela teve visões místicas durante todo um inverno. Na prisão, Perpétua escreveu um diário até o dia do martírio (Paixão de Perpétua e Felicidade). Tertuliano completou a narração do martírio.

No interrogatório, na presença de seu pai, o procurador Hilariano lhe diz:

“Tem pena dos cabelos brancos de teu pai, e da juventude do teu filho. Sacrifica aos deuses!”.

Ela responde: “Não sacrifico”.

– És cristã?

– Sou cristã. Não precisa mais nada, estava condenada ao anfiteatro, às feras.

Felicidade era escrava; estava grávida de oito meses e deu à luz a uma menina, no cárcere, dois dias antes de morrer. Nos seus gemidos durante o parto, um soldado, zombando lhe disse: “Se te queixas agora, o que será quando estiveres diante das feras”; ao que ela respondeu: “Agora sou eu que sofro, mas lá fora, um Outro estará em mim, e Ele sofrerá em mim eu sofrerei por Ele”.

Na hora de ser lançada às feras não aceitou que lhe colocassem as vestes pagãs: “Damos livremente a nossa vida para não aceitar essas coisas. Há um contrato entre nós, e vós não tendes o direito de nos impor essas vestes”.

Revocato e Saturnino foram presas de um urso e um leopardo, e contra Saturo lançaram um javali. Contra Perpétua e Felicidade, lançaram uma vaca brava que as lançou aos ares. Depois foram mortas à espada. Perpétua tinha 22 anos.

Houve um fato especial: quando Perpétua esperava a morte na prisão, o suboficial da guarda, Pudente, tocado por seu heroísmo, aceitou receber no meio da arena, o anel que Saturo acabara de banhar no seu próprio sangue.

O heroísmo é contagioso, por isso muitos se convertiam diante do testemunho dos mártires. E os perseguidores já carregavam na alma o sentimento de culpa e de fraqueza. Por isso Tertuliano escreveu ao imperador Marco Aurélio, em 180: “Sanguis martirum, semem christianorum” (O sangue dos mártires é semente de novos cristãos). Por isso, depois de 260 anos de sangue derramado, “a espada romana curvou-se diante da cruz de Cristo”. A soberba águia romana fechou as suas asas (Daniel Rops).

Fonte: http://cleofas.com.br/o-martirio-de-santa-perpetua-e-santa-felicidade/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Índice Por Categorias


Carregando...

Google+ Followers