Postagem em destaque

A coroa de glória de Nossa Senhora, Rainha e Mãe de misericórdia

Imagem
Coroação da Virgem, de Gentile da Fabriano.Nossa Senhora é Rainha e Mãe de misericórdia e nós, pobres pecadores, somos a coroa de sua glória no Reino dos Céus.A Sagrada Tradição da Igreja Católica atribui a Nossa Senhora a figura bíblica da Rainha Mãe, que teve sua origem no gesto profético de Salomão que, ao ser coroado Rei, pediu para a sua mãe um trono à sua direita: “Positusque est thronus matri regis, quae sedit ad dexteram eius – Foi posto um trono para a mãe do rei, a qual se assentou à sua mão direita” (1 Rs 2, 19).

Por que os Papas serão canonizados?

ppjpiijuanxxiii020713

Os Papas João XXIII e João Paulo II foram canonizados porque a Igreja – depois do processo normal de canonização – conclui que, de fato, são santos, viveram conforme a vontade de Deus. Nós mesmos podemos comprovar a santidade desses dois gigantes da fé católica; nada mais natural e necessário que a Igreja – infalível nesta hora – os canonize.

A Igreja canoniza os santos porque sabe que eles no céu “intercedem por nós sem cessar”, como diz a Liturgia eucarística; e assim, antecipam a chegada da plenitude  do Reino de Deus. O povo católico sabe que os santos nos ajudam com suas preces e seus méritos diante de Deus, socorrendo-nos em nossas necessidades. Então, certa disso, a Igreja, usando da infalibilidade do seu Magistério, sobretudo do Papa, nos indica aqueles que já estão na glória de Deus intercedendo por nós. Já são mais de vinte mil. O povo católico sabe que o Santo Padre não pode errar quando assina o decreto de canonização de um santo, por isso, logo faz a sua imagem para venerar com devoção e pedir as graças a Deus por sua intercessão.

Santa Teresinha do Menino Jesus, pouco antes de morrer disse que “passaria o céu fazendo o bem na terra”. Ora, isso quer dizer que viveria sua comunhão com Deus intercedendo por nós. São Domingos de Gusmão, o grande fundador dos Dominicanos, disse no leito de morte a seus filhos que “seria mais útil a eles no céu do que vivo na terra”.

Desde os primeiros séculos do cristianismo, os cristãos acreditam que os santos rezam por nós;  é por isso que nas mais de setenta catacumbas de Roma, e outros lugares da Europa, Ásia e Norte da África, pediam sua intercessão. As fontes históricas mostram que na segunda metade do século II, estabeleceu-se o belo costume de celebrar a Eucarística em cima do túmulo dos mártires no dia do aniversário da sua morte, para invocar a sua intercessão.

Quando, por exemplo, São Policarpo, bispo de Esmirna, foi morto e queimado no anfiteatro de Esmirna, no ano 155, os cristãos juntaram suas cinzas para guardar com carinho e rezar diante desta relíquia do santo (cf. Martírio de S. Policarpo 18,3)

O parágrafo 958 do Catecismo da Igreja diz que os mortos rezam por nós: “Nossa oração por eles pode não somente ajudá-los, mas também tornar eficaz sua intercessão por nós”. Isto se refere às almas do Purgatório; ora, se elas intercedem por nós, mais ainda as que já estão no céu.

Com base no Dogma da Comunhão dos Santos, a Igreja ensina:”Cremos na comunhão de todos os fiéis de Cristo, dos que são peregrinos na terra, dos de juntos que estão terminando a sua purificação [Purgatório], dos bem-aventurados do céu, formando, todos juntos, uma só Igreja, e cremos que nesta comunhão o amor misericordioso de Deus e de seus santos está sempre à escuta de nossas orações” (Cat. §692). Esta é a nossa fé de dois mil anos.

A Comunhão dos Santos “designa comunhão das “pessoas santas” em Cristo, que “morreu por todos”, de sorte que aquilo que cada um faz ou sofre em Cristo e por ele produz fruto para todos” (§961).

Nos primeiros séculos a canonização de um santo se dava de maneira mais rápida: o povo aclamava alguém santo, se o bispo concordasse,  o santo era proclamado. Aos poucos foi se aperfeiçoando o processo de canonização, de modo que o primeiro santo proclamado com um processo formal, foi Santo Ulrico, Bispo de Augsburgo (Baviera), falecido em 973, pelo Papa João XV (985-996), em 993.  Nessa ocasião João XV escreveu a encíclica “Cum conventus esset” aos Bispos da Alemanha e da Gália, onde destacou dois importantes princípios da veneração dos Santos: “Honramos os Servos para que a honra recaia sobre o Senhor, que disse: “Quem vos acolhe, a Mim acolhe” (Mt 10,40). Além do quê, nós, que não podemos confiar em nossas próprias virtudes, sejamos sempre ajudados pelas preces e os méritos dos Santos” (Denzinger-Schönmetzer, Enquirídio n.º 756 [342]).

Prof. Felipe Aquino

*Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.

Fonte: http://cleofas.com.br/por-que-os-papas-serao-canonizados/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lia - A Primeira Esposa de Jacó

Os Significados dos nomes dos “12 FILHOS DE JACÓ”

As Festas Judaicas no Tempo de Jesus

Na SEMANA passada

Os Significados dos nomes dos “12 FILHOS DE JACÓ”

A Bíblia e o culto a Virgem Maria

A Rosa Mística e os pecados dos membros da Igreja

05º Domingo da Páscoa – Ano C

Quantas vezes Jesus apareceu após sua ressurreição?

Lia - A Primeira Esposa de Jacó