Notícias deslizantes

Menu

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Por um amor maior

Resultado de imagem para 40 anos da publicação da “Humanae Vitae” de Paulo VI,

Por ocasião dos 40 anos da publicação da “Humanae Vitae” de Paulo VI, o Papa Bento XVI, através de uma mensagem enviada aos participantes de um Congresso Internacional que se realizava em Roma naqueles dias sobre a encíclica, retomou e aprofundou a doutrina católica sobre o assunto.
Para começo de conversa, o Pontífice afirma que só podem entender o alcance e a mensagem do documento os cristãos que desejam fazer de seu casamento uma escola de santidade, transformando o amor conjugal num dom sem reservas, sempre aberto à vida: «Só os olhos do coração chegam a captar as exigências próprias de um grande amor, capaz de abraçar a totalidade do ser humano».

Para Bento XVI, o sentido da sexualidade depende da qualidade de um amor que não se fecha sobre si mesmo: «A possibilidade de gerar uma nova vida está implícita na doação integral dos cônjuges. Assim, não só se assemelha, mas participa do amor de Deus, que quer comunicar-se chamando as pessoas à vida. Sob esta luz, os filhos não são apenas fruto de um projeto humano, mas reconhecidos como um autêntico dom a ser acolhido, numa atitude de generosidade responsável diante de Deus, fonte da vida humana».
Aprofundando o tema, o Papa recorda que a Igreja defende os métodos naturais de planejamento familiar por estarem mais de acordo com a dignidade humana: «Eles exigem uma maturidade no amor, que não é imediata, mas que precisa de diálogo, de escuta recíproca e de um domínio particular do impulso sexual, num caminho de crescimento na virtude. Permitem ainda ao casal administrar tudo que o Criador sabiamente inscreveu na natureza humana, sem perturbar o significado íntegro da doação sexual».
Evidentemente, num mundo onde tudo parece permitido e a ciência substitui a moral, a tentação é buscar sempre o mais cômodo, sobretudo quando se confunde felicidade com prazer: «A solução técnica, também nas grandes questões humanas, parece ser com freqüência a mais fácil, mas, na realidade, esconde a questão de fundo, que se refere ao sentido da sexualidade humana e à necessidade de um domínio responsável, para que seu exercício possa chegar a ser expressão de amor pessoal»».
Em sua mensagem, Bento XVI levanta uma dúvida que, a meu ver, só pode ser retórica: «Como é possível que hoje o mundo, e também muitos fiéis, encontrem tanta dificuldade em compreender a mensagem da Igreja, que ilustra e defende a beleza do amor conjugal em sua manifestação natural?». “Só pode ser retórica”, porque a resposta está ao alcance de todos os que se guiam pela fé: a partir do pecado de Adão e Eva, a humanidade tende muito mais para o mal do que para o bem, e sem a força do Espírito, quem toma conta da vida, são os instintos.
Na teoria e na prática, não há ninguém que, em são juízo, se oponha a uma paternidade responsável. Contudo, os métodos e caminhos que a ela conduzem são diferentes. Dependem de uma série de fatores, que vão desde a saúde até a fé religiosa de cada casal. Uma coisa, porém, é certa: é inútil, senão prejudicial, exigir que pessoas desprovidas de motivações superiores sigam métodos naturais. Elas precisam, antes de tudo, de uma conversão que as renove interiormente e as liberte dos preconceitos impingidos pela sociedade.
Sem dúvida, nesse campo, enorme e intransferível é a missão dos sacerdotes – confessores e diretores espirituais –, os primeiros responsáveis pela pastoral familiar. Se não se pode pecar por um laxismo avassalador, que impede qualquer avanço no caminho da maturidade humana e cristã, também não se deve cair no extremo oposto, impondo aos fiéis pesos que nem eles próprios têm condições de carregar – como é demonstrado pela quase totalidade dos que deixam o ministério presbiteral para contrair matrimônio.
Nos tempos da teologia escolástica, aprendia-se que “bonum ex integra causa”, ou seja, numa tradução livre, “para ser reconhecido como tal, o bem precisa englobar todas as dimensões da pessoa humana”. É por isso que não se pode exigir que um criminoso faça longas horas de oração. Que um marido infiel seja um pai extremoso. Que um político corrupto renove a sociedade. Que um libertino tenha compaixão dos que sofrem. E assim por diante: são situações que se excluem mutuamente.
De outro lado, é inevitável que a conversão diária, mediante uma busca sincera de Deus, tenha reflexos na vida política, profissional, familiar e até mesmo sexual de quem se decide a trilhar o caminho do amor.
Dom Redovino Rizzardo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Índice Por Categorias


Carregando...

Google+ Followers