Postagem em destaque

Qual a distância do Egito ao Mar Vermelho. Do Sinai até o Rio Jordão?

Imagem
Pergunta de Paulo Roberto Ribeiro de Pires do Rio / Goiás e resposta do Prof. Dr. OdalbertoOlá Paulo Roberto Ribeiro de Pires do Rio / Goiás !Imagino que a pergunta que estas fazendo tem relação com a caminhada do povo de Deus a terra prometida. O caminho do Êxodo. Para responder esta pergunta temos algumas dificuldades, este povo em caminho seguia pelo deserto, possivelmente tinha caminhos de caravanas que sabiam onde estavam os Oasis, para se reabastecerem, assim o caminho se tornava tortuosos e mais longo.

Profeta Miqueias

Resultado de imagem para Profeta Miqueias


Miqueias

Miqueias era natural de Moréchet (1,1), provavelmente Moréchet-Gat, uma aldeia de Judá, 35 km a sudoeste de Jerusalém, numa região próxima da Filisteia. Era uma terra de camponeses, mas não isolada, uma vez que à sua volta se encontravam fortalezas importantes de Judá (Azeca, Marecha e Láquis). As incursões assírias e todos os problemas relacionados com militares e funcionários reais que acudiam àquela zona geravam instabilidade e abusos, de que as principais vítimas eram os pequenos proprietários de terras.

Nada sabemos do estatuto social de Miqueias. Era certamente alguém ligado à terra, e as suas críticas contra os nobres da época fazem supor que se tratava de um camponês pobre, de um trabalhador da terra ou de um pequeno proprietário. O seu nome significa: “Quem é como o Senhor?”

ÉPOCA

O título do livro situa a actividade do profeta nos reinados de Jotam, de Acaz e de Ezequias; quer dizer, entre 740 e 698 a.C., aproximadamente. As suas intervenções contra a injustiça social e a exploração a que são votados os camponeses enquadram-se perfeitamente nesta época. No entanto, é difícil precisar a sua acção nos tempos de Jotam e de Acaz. Certo é que 1,2-7 supõe a existência da Samaria e, portanto, o profeta actuou antes da sua queda em 722 a.C.. A tradição contida em Jr 26,18 afirma que Miqueias desenvolveu o seu ministério em tempos de Ezequias; por conseguinte, podemos situá-lo algum tempo antes da queda da Samaria (722-701 a.C.).

Miqueias actuou no reino do Sul na mesma altura de Isaías. Experimentou pessoalmente as várias incursões assírias deste período e os problemas de ordem militar, política e social. Dá-nos uma visão pessimista da sociedade: as maquinações dos latifundiários (2,1-5), a situação das viúvas e dos órfãos desamparados e sem património (2,8-10), a ambição desmedida dos dirigentes e consequente exploração do pobre (3,1-4), os juízes corruptos (3,9-11) e os profetas subornados (3,5.11), a desconfiança geral, mesmo no interior da própria família (7,5-6).

DIVISÃO E CONTEÚDO

O livro apresenta-se dividido em quatro partes, onde alternam ameaças e promessas. Esta organização do texto pode ser atribuída a redactores posteriores e a autenticidade de algumas secções é discutível. Muitos pensam que houve releituras dos oráculos de Miqueias no tempo do Exílio. Mas, tal como o texto se apresenta, desenvolve-se do seguinte modo:

I. Ameaças (1,2-3,12). Começa com um discurso motivado pelos pecados de Jacob e de Judá (1,2-7), que provocam a ruína da Samaria e de Judá; denunciam-se os ricos, os grandes proprietários e os opressores dos pobres, os falsos profetas, os chefes e os sacerdotes (cap. 2-3).
II. Promessas (4,1-5,14). Estes capítulos centram-se no tema da salvação.
III. Ameaças (6,1-7,7). O cap. 6 abre com um processo entre Deus e o seu povo, a que se seguem duros ataques contra a injustiça e a falsidade.
IV. Promessas (7,8-20). O livro termina com o reconhecimento das culpas por parte do povo (7,8-10), um oráculo de salvação (v.11-13), uma súplica (v.14-17) e a certeza do perdão (v.18-20).

TEOLOGIA

Miqueias usa uma linguagem viva e dinâmica, tornando-se um dos grandes defensores da justiça. Preocupa-o a situação daqueles que, espoliados dos seus bens, se convertem em presa fácil na mão dos poderosos. Estes são os grandes proprietários de terras, as autoridades civis e militares, os sacerdotes e os falsos profetas; são os que se baseiam no automatismo das promessas divinas, os que pensam estar seguros, invocando as grandes tradições de Israel. Do outro lado temos o povo, vítima dos desmandos dos poderosos: os que não têm terras nem casas, os órfãos e todos os oprimidos.

Deus não pode ficar impassível. Por isso, Miqueias anuncia o castigo a Jerusalém e à Samaria, principais focos das injustiças e arbitrariedades e da duplicidade de interpretações das tradições antigas.

Mas o profeta reconhece também a validade das promessas; por isso proclama a esperança num futuro de justiça para o resto de Jacob, pelo caminho da humildade e da conversão. Não se limita, pois, a denunciar e a anunciar o castigo, mas também promete a conversão e a salvação.

Capítulos

Mq 1 Mq 2 Mq 3 Mq 4 Mq 5 Mq 6 Mq 7


http://www.capuchinhos.org/biblia/index.php/Miqueias


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Significados dos nomes dos “12 FILHOS DE JACÓ”

Qual a distância do caminho de sábado, na Bíblia?

Lia - A Primeira Esposa de Jacó

Na SEMANA passada

Os Significados dos nomes dos “12 FILHOS DE JACÓ”

Qual a distância do caminho de sábado, na Bíblia?

Lia - A Primeira Esposa de Jacó

SETH - 3º Filho de Adão

12 - Uma mulher virtuosa é a coroa de seu marido,

Qual a distância do Egito ao Mar Vermelho. Do Sinai até o Rio Jordão?

Atos dos Apóstolos