Postagem em destaque

História da Igreja: Igreja e os Povos Bárbaros

Imagem
A partir do século IV, deu-se o importante acontecimento das invasões bárbaras no Império Romano, que contribuiu fortemente para constituir a Cristandade da Idade Média; os novos povos, a princípio repelidos pelos habitantes do Império, acabaram fundindo-se com estes, resultando daí o cristão medieval, que configurou a Igreja da sua época.

Profeta Naum

Resultado de imagem para Profeta Naum


Naum

De Naum sabemos apenas que nasceu em Elcós (1,1), um lugar que não aparece citado em qualquer outro texto do AT. Alguns si­tuam a localidade na Galileia; outros, em Judá. Partindo de 2,1, parece que a sua pregação se exerceu em Judá e, mais provavelmente, em Jerusalém. Logo, Elcós deveria situar-se em território de Judá.

ÉPOCA

O livro de Naum centra-se num facto histórico bem preciso: a queda de Nínive, capital do império assírio, em 612 a.C.. A questão é saber se Naum escreveu antes deste acontecimento ou se celebrou o acontecimento, em forma de liturgia, depois de ele ter ocorrido.

Tudo parece indicar que o livro de Naum tenha sido escrito antes da destruição de Nínive. No texto faz-se referência ao que aconteceu a Tebas (Nó-Amon), no Egipto, apontando-o como exemplo do que sucederá a Nínive (3,8). Ora Tebas foi destruída em 668 ou 663 a.C. (provavelmente, até terá sido destruída duas vezes) e reconstruída por volta de 654 a.C.. No contexto da mensagem de Naum não faria muito sentido falar da destruição de Tebas depois de ela já estar reconstruída.

Além disso, o texto também faz referência ao jugo assírio que pesa sobre Judá; e a opressão assíria fez-se sentir em meados do séc. VII a.C., durante o reinado de Manassés (698-643). Sendo assim, o livro terá sido escrito no período entre a destruição de Tebas e a sua reconstrução (668 e 654 a.C.).

DIVISÃO E CONTEÚDO

O título do livro orienta o leitor para Nínive (1,1). Segue-se um salmo (1,2-8) que canta o poder de Deus na Natureza e na História, protegendo os que confiam nele e castigando os inimigos.

I. Em 1,9-2,3 há pequenos oráculos dirigidos alternadamente a Judá (1,9-10.12-13; 2,1.3) e a Nínive (1,11.14; 2,2): para Judá fala-se de consola­ção e alegria; a Nínive e ao seu rei anuncia-se o castigo.
II. 2,4-3,19 é dedicado à destruição de Nínive. Em 3,8-11 o profeta inclui o exemplo de Tebas, como dissemos, para mostrar que todas as defe­sas da cidade de Nínive são inúteis. O livro termina num cântico fúnebre, apresentando o desastre como consumado (3,18-19).

TEOLOGIA

Como profeta, Naum resulta estranho: não tem em conta os peca­dos do seu povo, é nacionalista e deleita-se, com uma alegria quase cruel, a anunciar a destruição da cidade de Nínive. Neste ponto, a sua mensagem é o contrário da de Jonas.

Mas seria injusto considerar Naum um vingativo. O problema que ele aborda é o da justiça de Deus na História, uma questão que preocupava os judeus e os homens de todos os tempos: que acontece quando o opressor não se converte? Poderá Deus tolerar o poder de um império que mata sem compaixão, que semeia violências e sangue por todo o lado? Naum dá a resposta: Não! A fidelidade de Deus e a sua justiça não o podem permitir. Por isso, Nínive deve ser destruída, tem que se travar a difusão dos seus erros e pôr fim à arrogância que se repete na História.

Capítulos

Na 1 Na 2 Na 3


http://www.capuchinhos.org/biblia/index.php/Naum

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Significados dos nomes dos “12 FILHOS DE JACÓ”

Qual a distância do caminho de sábado, na Bíblia?

Lia - A Primeira Esposa de Jacó

Na SEMANA passada

Cam - Filho de Noé

Os Significados dos nomes dos “12 FILHOS DE JACÓ”

SETH - 3º Filho de Adão

Lia - A Primeira Esposa de Jacó

Quem foi Teófilo citado em Lucas?

Qual a distância do caminho de sábado, na Bíblia?