Postagem em destaque

História da Igreja: Igreja e os Povos Bárbaros

Imagem
A partir do século IV, deu-se o importante acontecimento das invasões bárbaras no Império Romano, que contribuiu fortemente para constituir a Cristandade da Idade Média; os novos povos, a princípio repelidos pelos habitantes do Império, acabaram fundindo-se com estes, resultando daí o cristão medieval, que configurou a Igreja da sua época.

Testamento de Abraão

Resultado de imagem para abraão


Introdução.

O texto grego de ambas as recensões deste trabalho é publicado pela primeira vez em "Textos e Estudos", vol. II., No. 2 (Cambridge, 1892), por Montague Rhodes James, MA Nenhum dos manuscritos é mais velho que o décimo terceiro século; dos seis que contêm a versão mais longa, o melhor é um ms de Paris. escrito 1315, e o principal ms. da recensão mais curta (também em Paris) pertence ao décimo quinto século. Há também versões em romeno, eslavo, etíope e árabe.

O trabalho em si até agora tem sido pouco notado, e é duvidoso até que ponto era bem conhecido nos tempos antigos. É talvez citada como "Abraão" nas primeiras listas de obras apócrifas, e algumas passagens em escritores cristãos primitivos podem indicar seu conhecimento de tal obra. A evidência para isso é dada na íntegra pelo editor do texto grego em sua introdução (pp. 7-29). As conclusões tiradas por ele a partir desses avisos, e do próprio trabalho, são "que foi escrito no segundo século, que ele incorpora lendas anteriores a esse século, que ele recebeu sua forma atual talvez no nono ou décimo século". Certas características nela também "parecem apontar para o Egito como seu berço", como a concepção da Morte na recensão mais longa, que tem paralelos nos livros apócrifos coptas,

Nenhuma das duas versões pode ser uma cópia verdadeira do trabalho original. Eles diferem um do outro não apenas em comprimento, mas em arranjo. A recensão mais curta pode preservar mais da língua original, mas transpõe certas seções, confundindo assim a ordem da narrativa, e nisso a versão árabe geralmente concorda com ela. A discrepância mais essencial começa com o cap. X. da recensão mais longa, onde Abraão, depois de ser levado na nuvem, é primeiro mostrado as iniqüidades que ocorrem na terra. O texto mais curto coloca isso no final de sua jornada, destruindo completamente a moral original do escritor, que deseja enfatizar a misericórdia de Deus e mostrar como a justa indignação de Abraão é substituída por sentimentos de compaixão pelo pecador. A visão do juízo é então alterada na versão mais curta, condenando a alma duvidosa, em vez de ser salva pela intercessão de Abraão. Neste ponto, o editor pensa que a recensão mais curta pode ter sido influenciada pelo Apocalipse de Paulo, como também parece ser o caso da razão de Michael por deixar Abraão em Chap. IV, que é bastante diferente do pretexto dado no texto mais longo. Também é notável que na forma mais curta não haja palavra. da relutância de Abraão em morrer, que é uma característica tão proeminente do outro, e é, sem dúvida, original, já que a idéia não é de outro modo desconhecida na literatura apócrifa. A conclusão da versão mais curta é muito reduzida, comparada com a mais longa. em vez de ser salvo pela intercessão de Abraão. Neste ponto, o editor pensa que a recensão mais curta pode ter sido influenciada pelo Apocalipse de Paulo, como também parece ser o caso da razão de Michael por deixar Abraão em Chap. IV, que é bastante diferente do pretexto dado no texto mais longo. Também é notável que na forma mais curta não haja palavra. da relutância de Abraão em morrer, que é uma característica tão proeminente do outro, e é, sem dúvida, original, já que a idéia não é de outro modo desconhecida na literatura apócrifa. A conclusão da versão mais curta é muito reduzida, comparada com a mais longa. em vez de ser salvo pela intercessão de Abraão. Neste ponto, o editor pensa que a recensão mais curta pode ter sido influenciada pelo Apocalipse de Paulo, como também parece ser o caso da razão de Michael por deixar Abraão em Chap. IV, que é bastante diferente do pretexto dado no texto mais longo. Também é notável que na forma mais curta não haja palavra. da relutância de Abraão em morrer, que é uma característica tão proeminente do outro, e é, sem dúvida, original, já que a idéia não é de outro modo desconhecida na literatura apócrifa. A conclusão da versão mais curta é muito reduzida, comparada com a mais longa. s razões para deixar Abraão em Chap. IV, que é bastante diferente do pretexto dado no texto mais longo. Também é notável que na forma mais curta não haja palavra. da relutância de Abraão em morrer, que é uma característica tão proeminente do outro, e é, sem dúvida, original, já que a idéia não é de outro modo desconhecida na literatura apócrifa. A conclusão da versão mais curta é muito reduzida, comparada com a mais longa. s razões para deixar Abraão em Chap. IV, que é bastante diferente do pretexto dado no texto mais longo. Também é notável que na forma mais curta não haja palavra. da relutância de Abraão em morrer, que é uma característica tão proeminente do outro, e é, sem dúvida, original, já que a idéia não é de outro modo desconhecida na literatura apócrifa. A conclusão da versão mais curta é muito reduzida, comparada com a mais longa.

Por causa dessas muitas diferenças entre as recensões deste notável trabalho, julgou-se melhor dar-lhes as duas coisas inteiras, e assim arranjadas para que o leitor possa descobrir prontamente em que aspectos um difere do outro.

O tom da obra é talvez mais judaico do que cristão, mas como frases e concepções de um personagem do Novo Testamento aparecem nele, especialmente na cena do julgamento, é mais provável que seja atribuído a um cristão judeu, que pela sua substância desenhou em parte sobre lendas mais antigas e, em parte, sobre sua própria imaginação. Algumas de suas características são muito marcantes, e algumas delas não parecem ocorrer em outras partes da literatura dessa classe; É possível que alguns deles não recuem mais do que os editores medievais do texto. Entre os pontos mais notáveis ​​pode-se notar a idade de Abraão, dada variadamente em diferentes missões, sua hospitalidade e o envio de Michael para anunciar sua morte (Cap. I.): a recusa de Michael a montar um cavalo (Cap. II. ): a árvore falando com uma voz humana (Cap. III.); as lágrimas de Michael se transformando em pedras preciosas (ibid.); e o espírito devorador enviado para consumir a comida por ele (Cap. IV.). No chap. VI. a narrativa de Gênesis é relembrada por Michael reconhecendo Sarah como um dos três que vieram a Abraão no carvalho de Mamre, com a circunstância adicional de o bezerro se levantar inteiro após ser comido. O sonho de Isaac em Chap. VII. talvez seja remotamente sugerido por Joseph. Toda a visão de julgamento, com a presença de Adão e Abel, é digna de nota, assim como a concepção da Morte e a explicação de suas várias formas. com a circunstância adicional de o bezerro se levantar inteiro depois de ser comido. O sonho de Isaac em Chap. VII. talvez seja remotamente sugerido por Joseph. Toda a visão de julgamento, com a presença de Adão e Abel, é digna de nota, assim como a concepção da Morte e a explicação de suas várias formas. com a circunstância adicional de o bezerro se levantar inteiro depois de ser comido. O sonho de Isaac em Chap. VII. talvez seja remotamente sugerido por Joseph. Toda a visão de julgamento, com a presença de Adão e Abel, é digna de nota, assim como a concepção da Morte e a explicação de suas várias formas.

.

O testamento de Abraão

Versão I.

I. Abraão viveu a medida de sua vida, novecentos e noventa e cinco anos, e tendo vivido todos os anos de sua vida em quietude, mansidão e retidão, o justo foi extremamente hospitaleiro; pois, lançando sua tenda nas encruzilhadas do carvalho de Mamre, ele recebia todos, ricos e pobres, reis e governantes, os aleijados e desamparados, amigos e estranhos, vizinhos e viajantes, todos iguais aos devotos, Santíssimo, justo e hospitaleiro Abraão entreter. Mesmo sobre ele, no entanto, veio a morte comum, inexorável e amarga, e o fim incerto da vida. Portanto, o Senhor Deus, convocando seu arcanjo Miguel, disse-lhe: Desça, comandante-chefe Michael, a Abraão e fale a ele a respeito de sua morte, para que ele coloque seus assuntos em ordem, pois o abençoei como as estrelas do céu e como a areia à beira-mar, e ele é em abundância de vida longa e muitas posses, e está se tornando extremamente rico. Além de todos os homens, além disso, ele é justo em toda bondade, hospitaleiro e amoroso até o fim de sua vida; mas tu, arcanjo Miguel, vai a Abraão, meu amado amigo, e anuncia-lhe sua morte e assegura-lhe assim: Neste tempo partirei deste mundo vil, e abandonarás o corpo, e irás a teu próprio Senhor entre o bom.

II. E o capitão-mor partiu de diante da face de Deus, e desceu a Abraão ao carvalho de Manre, e encontrou o justo Abraão no campo perto, sentado ao lado de jugos de bois para lavrar, juntamente com os filhos de Maseque e outros servos, para o número de doze. E eis que o capitão-chefe veio a ele, e Abraão, vendo o chefe-capitão Miguel vindo de longe, semelhante a um guerreiro muito formoso, levantou-se e encontrou-o como era seu costume, encontrando e entretendo todos os estrangeiros. E o capitão-chefe saudou-o e disse: Salve, pai mais honrado, alma justa escolhida por Deus, filho verdadeiro do celestial. Abraão disse ao capitão-chefe: Salve, o mais honrado guerreiro, brilhante como o sol e mais bonito que todos os filhos dos homens; tu és bem-vindo; por isso peço a tua presença conta-me de onde vem a juventude da tua idade; ensina-me, teu suplicante, de onde e de que exército e de que jornada tua beleza chegou aqui. O capitão-chefe disse: Eu, ó justo Abraão, venho da grande cidade. Fui enviado pelo grande rei para tomar o lugar de um bom amigo dele, pois o rei o convocou. E disse Abraão: Vem, meu Senhor, vai comigo até o meu campo. O capitão-chefe disse: eu venho; e indo para o campo da lavra, sentaram-se ao lado da companhia. E disse Abraão a seus servos, os filhos de Maseque: Ide à manada de cavalos, e trazei dois cavalos, quietos, gentis e mansos, para que eu e este estrangeiro nos sentássemos. Mas o capitão-chefe disse: Não, meu senhor Abraão, não deixem que levem cavalos, pois me abstive de sentar-me sobre qualquer animal quadrúpede. Não é meu rei rico em muita mercadoria, tendo poder tanto sobre os homens como sobre todos os tipos de gado? mas eu me abster de nunca sentar em qualquer animal de quatro patas. Vamos, então, ó alma justa, caminhando levemente até alcançarmos a tua casa. E Abraão disse: Amém, assim seja.

III E, indo eles do campo para a sua casa, do outro lado havia um cipreste, e por ordem do Senhor a árvore clamou com voz humana, dizendo: Santo, santo é o Senhor Deus que chama ele mesmo para aqueles que o amam; mas Abraão escondeu o mistério, pensando que o capitão-chefe não tinha ouvido a voz da árvore. E chegando perto da casa sentaram-se no pátio, e Isaac vendo a face do anjo disse a Sara sua mãe, Minha senhora mãe, eis que o homem sentado com meu pai Abraão não é um filho da raça daqueles que habite na terra. E Isaac correu, e saudou-o, e caiu aos pés do incorpóreo, e o incorpóreo o abençoou e disse: O Senhor Deus te concederá a sua promessa que ele fez ao teu pai Abraão e à sua descendência, e também te concederá a preciosa oração de teu pai e tua mãe. Abraão disse a Isaac seu filho, Meu filho Isaac, tirar água do poço, e trazê-lo no vaso, para que possamos lavar os pés deste estranho, pois ele está cansado, tendo vindo a nós de uma longa jornada. E Isaac correu para o poço e puxou água no vaso e trouxe-os para eles, e Abraão subiu e lavou os pés do capitão Michael, e o coração de Abraão foi movido, e ele chorou pelo estranho. E Isaque, vendo seu pai chorando, chorou também, e o capitão-chefe, vendo-os chorando, também chorou com eles, e as lágrimas do capitão-chefe caíram sobre o vaso na água da bacia e se tornaram pedras preciosas. E Abraão, vendo a maravilha, e ficando surpreso, tomou as pedras em segredo, e escondeu o mistério,

IV. E Abraão disse a Isaque seu filho: Vai, meu amado filho, para a câmara interior da casa e embelezar-lo. Espalhados por nós há dois sofás, um para mim e outro para este homem que é convidado conosco neste dia. Prepare para nós um lugar e um candelabro e uma mesa com abundância de todas as coisas boas. Embeleze a câmara, meu filho, e espalhe-se debaixo de nós, linho, púrpura e linho fino. Queime ali todo incenso precioso e excelente, e traga plantas com cheiro adocicado do jardim e encha a nossa casa com elas. Acende sete lâmpadas cheias de óleo, para que nos regozijemos, pois este homem que é nosso hóspede neste dia é mais glorioso do que reis ou governantes, e sua aparência supera todos os filhos dos homens. E Isaque preparou bem todas as coisas, e Abraão, tomando o arcanjo Miguel entrou na câmara, e ambos sentaram-se sobre os sofás, e entre eles ele colocou uma mesa com abundância de todas as coisas boas. Então o capitão-chefe levantou-se e saiu, como se por restrição do seu ventre fizesse a água, e subiu ao céu num piscar de olhos, parou diante do Senhor e disse-lhe: Senhor e Mestre, deixa a tua o poder sabe que eu sou incapaz de lembrar aquele homem justo da sua morte, pois eu não vi sobre a terra um homem como ele, lamentável, hospitaleiro, justo, sincero, devoto, abstendo-se de todo ato maligno. E agora saiba, Senhor, que não posso lembrá-lo de sua morte. E o Senhor disse: Desce, chefe-capitão Michael, ao meu amigo Abraão, e o que quer que ele te diga, que também tu e tudo o que ele come, comem também com ele. E enviarei meu Espírito Santo sobre seu filho Isaac, e porei a lembrança de sua morte no coração de Isaque, de modo que mesmo ele em um sonho pode ver a morte de seu pai, e Isaac vai relacionar o sonho, e você deve interpretá-lo, e ele mesmo conhecerá o seu fim. E o capitão-chefe disse: Senhor, todos os espíritos celestes são incorpóreos, e não comem nem bebem, e este homem colocou diante de mim uma mesa com a abundância de todas as boas coisas terrenas e corruptíveis. Agora, Senhor, o que devo fazer? Como vou escapar dele, sentado em uma mesa com ele? O Senhor disse: Desça a ele e não se preocupe com isso, pois quando estiver sentado com ele, eu enviarei sobre ti um espírito devorador, e isso consumirá de suas mãos e através de tua boca tudo que está no mesa. Regozijem-se juntamente com ele em tudo, somente você deve interpretar bem as coisas da visão, que Abraão pode conhecer a foice da morte e o fim incerto da vida,

Então o capitão desceu à casa de Abraão e sentou-se à mesa com ele, e Isaque os serviu. E quando o jantar terminou, Abraão orou após seu costume, e o capitão-chefe orou junto com ele, e cada um se deitou para dormir em seu sofá. E Isaac disse a seu pai, Pai, eu também gostaria de dormir com você nesta câmara, para que eu também possa ouvir o seu discurso, pois adoro ouvir a excelência da conversa deste homem virtuoso. Abraão disse: Não, meu filho, mas vai para o teu próprio quarto e dorme no teu próprio leito, para que não sejamos perturbadores para este homem. Então Isaac, tendo recebido a oração deles, e abençoando-os, foi para o seu próprio quarto e deitou-se no seu leito. Mas o Senhor lançou o pensamento da morte no coração de Isaque como em um sonho, e aproximadamente a terceira hora da noite, Isaac acordou e levantou-se do seu sofá, e veio correndo para a câmara onde seu pai dormia junto com o arcanjo. Isaque, pois, ao chegar à porta clamou, dizendo: Meu pai Abraão, levante-se e abra-me rapidamente, para que eu possa entrar e pendurar no teu pescoço, e abraçar-te antes que eles te tirem de mim. Abraão levantou-se e abriu-se para ele, e Isaac entrou e pendurou em seu pescoço, e começou a chorar em alta voz. Abraão, sendo movido no coração, também chorou em alta voz, e o chefe-capitão, vendo-os chorando, também chorou. Sarah estava em seu quarto, ouviu seu choro e veio correndo até eles, e os encontrou abraçados e chorando. E disse Sara com pranto: Meu Senhor Abraão, que é isto que você chora? Diga-me, meu senhor este irmão que foi entretido por nós neste dia trouxe a ti as novas de Ló, filho de teu irmão, que ele está morto? É por isso que você se aflige assim? O capitão-chefe respondeu e disse-lhe: Não, minha irmã Sara, não é como tu dizes, mas teu filho Isaque, pensa, viu um sonho, e veio a nós chorando, e nós o vendo movemo-nos em nossos corações e chorou.

VI. Então Sarah, ouvindo a excelência da conversa do capitão-chefe, soube imediatamente que era um anjo do Senhor que falava. Portanto, Sara significou a Abraão sair em direção à porta e disse-lhe: Meu senhor Abraão, sabes quem é este homem? Abraão disse, eu não sei. Sarah disse: Tu sabes, meu Senhor, os três homens do céu que foram entretidos por nós em nossa tenda ao lado do carvalho de Mamre, quando tu mataste a criança sem defeito, e puseste uma mesa diante deles. Depois que a carne foi comida, o menino se levantou novamente e chupou sua mãe com grande alegria. Não sabes, meu Senhor Abraão, que pela promessa nos deram Isaque como o fruto do ventre? Destes três homens santos, este é um. Abraão disse, ó Sarah, nisto tu falas a verdade. Glória e louvor do nosso Deus e do Pai. Pois tarde da noite, quando lavei seus pés na bacia, disse em meu coração: Estes são os pés de um dos três homens que lavei então; e suas lágrimas que caíram na bacia se tornaram pedras preciosas. E, sacudindo-os do seu colo, deu-os a Sara, dizendo: Se não me crês, olha agora para estes. E Sarah recebendo-os se curvou e saudou e disse: Glória a Deus que nos mostra coisas maravilhosas. E agora saiba, meu senhor Abraão, que existe entre nós a revelação de alguma coisa, seja má ou boa! E Sarah recebendo-os se curvou e saudou e disse: Glória a Deus que nos mostra coisas maravilhosas. E agora saiba, meu senhor Abraão, que existe entre nós a revelação de alguma coisa, seja má ou boa! E Sarah recebendo-os se curvou e saudou e disse: Glória a Deus que nos mostra coisas maravilhosas. E agora saiba, meu senhor Abraão, que existe entre nós a revelação de alguma coisa, seja má ou boa!

VII. E Abraão saiu de Sara, e entrou no quarto, e disse a Isaque: Vem cá, meu amado filho, diz-me a verdade, o que é que viste e que te sucedeu que vieste tão depressa para nós. E Isaac respondendo começou a dizer, eu vi, meu Senhor, nesta noite o sol e a lua acima da minha cabeça, cercando-me com seus raios e me dando luz. Ao contemplar isso e me regozijar, vi o céu se abrir e um homem com luz descer dele, brilhando mais de sete sóis. E veio este homem como o sol, tirou o sol da minha cabeça e subiu aos céus, de onde veio, mas fiquei muito triste por ter tirado o sol de mim. Depois de um pouco, como eu ainda estava triste e dolorido, vi este homem sair do céu uma segunda vez, e ele tirou de mim a lua também de minha cabeça, e chorei muito e chamei o homem de luz, e disse: Não, meu Senhor, tire a minha glória de mim; Tenha pena de mim e me ouça, e se tu tirar o sol de mim, então deixe a lua para mim. Ele disse: Deixem que eles sejam levados para o rei lá em cima, pois ele os deseja lá. E ele os tirou de mim, mas ele deixou os raios sobre mim. O capitão-chefe disse: Ouve, ó justo Abraão; o sol que teu filho viu és seu pai, e a lua é também Sara sua mãe. O homem portando a luz que desceu do céu, este é o enviado de Deus que tirará tua alma justa de ti. E agora saiba, ó mais honrado Abraão, que neste momento você deixará esta vida mundana, e removerá a Deus. Abraão disse ao capitão-chefe O mais estranho das maravilhas! e agora és tu aquele que tirará a minha alma de mim? O capitão-chefe lhe disse: Eu sou o capitão-mor Michael, que está diante do Senhor, e fui enviado a ti para te lembrar da tua morte, e depois vou para ele como me foi ordenado. Abraão disse: Agora sei que tu és um anjo do Senhor e foste enviado para tomar a minha alma, mas não irei contigo; mas faze tudo o que tu és comandado.

VIII. O capitão-chefe, ouvindo estas palavras, imediatamente desapareceu, e subindo ao céu pôs-se diante de Deus e disse tudo o que vira na casa de Abraão; e o capitão-chefe disse isso também ao seu Senhor: Assim diz o teu amigo Abraão: Não irei contigo, mas faze o que quer que te ordenasse; e agora, ó Senhor Todo-Poderoso, a tua glória e reino imortal ordenam alguma coisa? Deus disse ao chefe-capitão Michael: Vai ao meu amigo Abraão mais uma vez, e fala-lhe assim: Assim diz o Senhor teu Deus, que te introduziu na terra da promessa, que te abençoou sobre a areia do mar e sobre as estrelas do céu, que abriu o ventre de esterilidade de Sara, e te concedeu Isaque como o fruto do ventre em velhice, Em verdade te digo que essa bênção te abençoarei, e multiplicando multiplico a tua descendência, e eu te darei tudo o que pedires de mim, porque eu sou o Senhor teu Deus e, além de mim, não há outro. Diga-me porque te rebelaste contra mim e porque há dor em ti e porque te rebelaste contra o meu arcanjo Miguel? Não sabes que todos os que vieram de Adão e Eva morreram e que nenhum dos profetas escapou da morte? Nenhum daqueles que governam como reis é imortal; Nenhum de teus antepassados ​​escapou do mistério da morte. Todos eles morreram, todos partiram para o Hades, todos reunidos pela foice da morte. Mas sobre ti não matei a morte, não sofri nenhuma doença mortal que se apoderasse de ti, não permiti que a foice da morte te encontrasse, não permiti que as redes do Hades te envolvessem, nunca te desejei para se encontrar com qualquer mal. Mas para bom conforto enviei-te o meu capitão-mor Michael, para que conheças a tua partida do mundo, e ponha a tua casa em ordem, e tudo quanto te pertence, e abençoe a Isaac, teu amado filho. E agora saiba que fiz isso não querendo sofrer. Por que, pois, disseste ao meu comandante: Não irei contigo? Por que falaste assim? Não sabes que se eu der licença à morte e ele vier sobre ti, então eu verei se tu virias ou não? Eu não irei contigo? Por que falaste assim? Não sabes que se eu der licença à morte e ele vier sobre ti, então eu verei se tu virias ou não? Eu não irei contigo? Por que falaste assim? Não sabes que se eu der licença à morte e ele vier sobre ti, então eu verei se tu virias ou não?

IX. E o capitão-mor que recebia as exortações do Senhor desceu a Abraão e, vendo-o o justo, caiu sobre o seu rosto como morto, e o comandante-chefe lhe contou tudo o que ouvira do Altíssimo. Então o santo e justo Abraão, levantando-se com muitas lágrimas, caiu aos pés do incorpóreo, e rogou-lhe, dizendo: peço-te capitão-mor das hostes de cima, pois te dignaste totalmente para vir a mim como pecador e tudo quanto for teu indigno servo, agora rogo-te, chefe-capitão, que preste minhas palavras ao Altíssimo, e lhe dirás: Assim diz Abraão, teu servo: Senhor, Senhor, em toda obra e palavra que te pedi, e me ouviste, e cumpriste todo o meu conselho. Agora, Senhor, não resisto ao teu poder, pois também sei que não sou imortal, mas mortal. Visto que, portanto, a teu comando todas as coisas cederem, e temerem e tremerem diante do teu poder, também receio, mas peço a ti um pedido, e agora, Senhor e Mestre, ouve a minha oração, pois enquanto ainda neste corpo eu desejo ver toda a terra habitada e todas as criações que estabeleceste por uma só palavra, e quando as vir, se me afastar da vida, ficarei sem tristeza. E o capitão-mor voltou para trás e parou diante de Deus, e contou-lhe tudo, dizendo: Assim diz teu amigo Abraão: Desejei contemplar toda a terra em vida antes de morrer. E o Altíssimo, ouvindo isso, ordenou novamente ao capitão-mor Michael, e disse-lhe: Toma uma nuvem de luz e os anjos que têm poder sobre os carros e desce, toma o justo Abraão sobre um carro dos querubins ,

X. E o arcanjo Miguel desceu e tomou Abraão em um carro dos querubins, e exaltou-o no ar do céu, e o guiou sobre a nuvem juntamente com sessenta anjos, e Abraão subiu ao carro sobre toda a terra. E Abraão viu o mundo como estava naquele dia, alguns arando, outros dirigindo, em um lugar homens reunindo rebanhos, e em outro observando-os durante a noite, e dançando e tocando e tocando, em outro lugar homens lutando e lutando em lei em outros lugares, homens chorando e tendo os mortos em memória. Ele viu também os recém-casados ​​recebidos com honra, e em uma palavra ele viu todas as coisas que são feitas no mundo, boas e más. Abraão, portanto, passando sobre eles viu homens portando espadas, empunhando em suas mãos espadas afiadas, e Abraão perguntou ao capitão-chefe, Quem são estes? O capitão-chefe disse: Estes são ladrões, que pretendem cometer assassinato e roubar, queimar e destruir. Abraão disse: Senhor, Senhor, ouve a minha voz, e ordene que os animais selvagens saiam do bosque e os devorem. E enquanto ele falava, saíam feras do bosque e devoravam-nas. E ele viu em outro lugar um homem com uma mulher cometendo fornicação uns com os outros, e disse: Senhor, Senhor, mande que a terra os abra e engula, e logo a terra foi fendida e engolida. E ele viu em outro lugar homens cavando através de uma casa, e levando bens de outros homens, e ele disse: Senhor, Senhor, manda que desça fogo do céu e os consuma. E enquanto ele falava, fogo desceu do céu e os consumiu. E logo veio uma voz do céu ao capitão, dizendo assim, ó capitão Michael, que comandasse o carro para detê-lo, e afaste Abraão para que ele não visse toda a terra, porque se ele visse tudo o que vive em maldade, ele destruirá toda a criação. Pois eis que Abraão não pecou e não tem piedade dos pecadores, mas eu fiz o mundo e desejo não destruir nenhum deles, mas esperar a morte do pecador, até que ele se converta e viva. Mas leve Abraão até o primeiro portão do céu, para que ele veja ali os juízos e recompensas, e arrependa-se das almas dos pecadores que ele destruiu. Abraão não pecou e não tem piedade dos pecadores, mas eu fiz o mundo e desejo não destruir nenhum deles, mas esperar a morte do pecador, até que ele se converta e viva. Mas leve Abraão até o primeiro portão do céu, para que ele veja ali os juízos e recompensas, e arrependa-se das almas dos pecadores que ele destruiu. Abraão não pecou e não tem piedade dos pecadores, mas eu fiz o mundo e desejo não destruir nenhum deles, mas esperar a morte do pecador, até que ele se converta e viva. Mas leve Abraão até o primeiro portão do céu, para que ele veja ali os juízos e recompensas, e arrependa-se das almas dos pecadores que ele destruiu.

XI. Então, Michael virou a carruagem e trouxe Abraão para o leste, para o primeiro portão do céu; e Abraão viu dois caminhos, um estreito e contraído, o outro largo e espaçoso, e lá ele viu dois portões, um largo no caminho largo, e outro estreito no caminho estreito. E do lado de fora dos dois portões ele viu um homem sentado em um trono dourado, e a aparência daquele homem era terrível, como a do Senhor. [3992] E eles viram muitas almas dirigidas por anjos e conduzidas através da ampla porta, e outras almas, poucas em número, que foram tomadas pelos anjos através da porta estreita. E quando o maravilhoso que estava sentado no trono de ouro viu poucos entrando pelo portão estreito, e muitos entrando pelo largo, logo aquele maravilhoso rasgou os cabelos de sua cabeça e os lados de sua barba, e se jogou no chão do seu trono, chorando e lamentando. Mas quando ele viu muitas almas entrando pela porta estreita, então ele se levantou do chão e sentou em seu trono em grande alegria, regozijando-se e exultando. E Abraão perguntou ao capitão-chefe, meu senhor chefe-capitão, quem é este homem mais maravilhoso, adornado com tanta glória, e às vezes ele chora e lamenta, e às vezes ele se alegra e exulta? O incorpóreo disse: Este é o primeiro criado Adão que está em tal glória, e ele olha para o mundo porque todos nascem dele, e quando ele vê muitas almas atravessando a porta estreita, então ele se levanta e se senta sobre o seu trono regozijando-se e exultando em alegria, porque esse portão estreito é o dos justos, que leva à vida, e os que entram por ele entram no Paraíso. Para isto, então, o primeiro criado Adão se alegra, porque ele vê as almas sendo salvas. Mas quando ele vê muitas almas entrando pela porta larga, ele puxa os cabelos da cabeça, e se lança no chão chorando e lamentando amargamente, pois a porta larga é a dos pecadores, o que leva à destruição e punição eterna. E por isso o primeiro Adão formado cai de seu trono chorando e lamentando pela destruição dos pecadores, pois eles são muitos que estão perdidos, e eles são poucos que são salvos, pois em sete mil é dificil encontrar uma alma salva, sendo íntegro e imaculado.

XII Enquanto ele ainda estava dizendo essas coisas para mim, eis dois anjos, de aspecto flamejante e impiedosos em mente, e severos em olhar, e eles dirigiram milhares de almas, impiedosamente atacando-as com tangas de fogo. O anjo apegou-se a uma alma, e eles levaram todas as almas à ampla porta para a destruição. Então nós também fomos junto com os anjos, e entramos naquele portão largo, e entre os dois portões havia um trono terrível de aspecto, de cristal terrível, cintilando como fogo, e sobre ele estava um homem maravilhoso, radiante como o sol, o Filho de Deus. Diante dele havia uma mesa de cristal, toda de ouro e linho fino, e sobre a mesa havia um livro com uma espessura de seis côvados, ea largura de dez côvados, e à direita e à esquerda havia dois anjos segurando papel e tinta e caneta. Antes da mesa sentou um anjo de luz, segurando em sua mão um equilíbrio, e à sua esquerda estava um anjo todo impetuoso, impiedoso e severo, segurando em sua mão uma trombeta, tendo dentro de si todo o fogo consumidor para tentar os pecadores. O homem maravilhoso que se sentou no trono ele próprio julgou e sentenciou as almas, e os dois anjos à direita e à esquerda escreveram, o da direita a justiça e o da esquerda a maldade. O que estava diante da mesa, que segurava a balança, pesou as almas, e o anjo de fogo, que segurava o fogo, experimentou as almas. E Abraão perguntou ao capitão-mor Michael: Que é isto que contemplamos? E o capitão-mor disse: Estas coisas que vês, santo Abraão, são o juízo e a recompensa. E eis que o anjo segurando a alma em sua mão, e ele trouxe perante o juiz, e o juiz disse a um dos anjos que o serviram: Abre-me este livro e encontra-me os pecados desta alma. E abrindo o livro ele encontrou seus pecados e sua justiça igualmente equilibrados, e ele não deu isto aos atormentadores, nem àqueles que foram salvos, mas o colocou no meio deles.

XIII. E Abraão disse: Meu Senhor, capitão-chefe, quem é este juiz mais maravilhoso? e quem são os anjos que escrevem? e quem é o anjo como o sol, segurando o equilíbrio? e quem é o anjo de fogo que segura o fogo? O capitão-chefe disse: "Vês tu, santíssimo Abraão, o homem terrível sentado no trono? Este é o filho do primeiro Adão criado, que se chama Abel, a quem o ímpio Caim matou, e ele se senta assim para julgar todos criação, e examina homens justos e pecadores.Porque Deus disse: "Eu não te julgarei, mas todo homem nascido do homem será julgado. Portanto, ele deu-lhe julgamento, para julgar o mundo até a sua grande e gloriosa vinda, e então, ó justo Abraão, é o julgamento e a recompensa perfeitos, eternos e imutáveis, que ninguém pode alterar, pois todo homem tem vindo do primeiro criado, e por isso são julgados aqui primeiro por seu filho, e na segunda vinda serão julgados pelas doze tribos de Israel, todo o fôlego e toda criatura. Mas, pela terceira vez, serão julgados pelo Senhor Deus de todos, e então, de fato, o fim desse julgamento está próximo, e a sentença é terrível, e não há ninguém para libertar. E agora, por três tribunais, o julgamento do mundo e a recompensa é feita, e por essa razão um assunto não é finalmente confirmado por uma ou duas testemunhas, mas por três testemunhas tudo será estabelecido. Os dois anjos à direita e à esquerda são os que escrevem os pecados e a justiça, o que está à direita anota a justiça e o que está à esquerda, os pecados. O anjo como o sol, segurando a balança na mão, é o arcanjo, Dokiel, o justo pesador, e ele pesa as justiças e os pecados com a justiça de Deus. O anjo impetuoso e impiedoso, segurando o fogo em sua mão, é o arcanjo Puruel, que tem poder sobre o fogo, e tenta as obras dos homens através do fogo, e se o fogo consome a obra de qualquer homem, o anjo do julgamento imediatamente toma e leva-o para o lugar dos pecadores, um lugar de punição muito amargo. Mas se o fogo aprova a obra de alguém, e não se apega a ela, esse homem é justificado, e o anjo da justiça o toma e o leva para ser salvo no lote dos justos. E assim, o mais virtuoso Abraão, todas as coisas em todos os homens são provadas pelo fogo e pelo equilíbrio ". é o arcanjo Puruel, que tem poder sobre o fogo, e tenta as obras dos homens através do fogo, e se o fogo consome a obra de qualquer homem, o anjo do juízo imediatamente agarra-o e leva-o para o lugar dos pecadores, um o lugar mais amargo da punição. Mas se o fogo aprova a obra de alguém, e não se apega a ela, esse homem é justificado, e o anjo da justiça o toma e o leva para ser salvo no lote dos justos. E assim, o mais virtuoso Abraão, todas as coisas em todos os homens são provadas pelo fogo e pelo equilíbrio ". é o arcanjo Puruel, que tem poder sobre o fogo, e tenta as obras dos homens através do fogo, e se o fogo consome a obra de qualquer homem, o anjo do juízo imediatamente agarra-o e leva-o para o lugar dos pecadores, um o lugar mais amargo da punição. Mas se o fogo aprova a obra de alguém, e não se apega a ela, esse homem é justificado, e o anjo da justiça o toma e o leva para ser salvo no lote dos justos. E assim, o mais virtuoso Abraão, todas as coisas em todos os homens são provadas pelo fogo e pelo equilíbrio ". e não se apega a ele, que o homem é justificado, e o anjo da justiça o toma e o leva para ser salvo no lote dos justos. E assim, o mais virtuoso Abraão, todas as coisas em todos os homens são provadas pelo fogo e pelo equilíbrio ". e não se apega a ele, que o homem é justificado, e o anjo da justiça o toma e o leva para ser salvo no lote dos justos. E assim, o mais virtuoso Abraão, todas as coisas em todos os homens são provadas pelo fogo e pelo equilíbrio ".

XIV E disse Abraão ao capitão-mor: 'Meu senhor, o capitão-mor', a alma que o anjo tinha na mão, por que foi julgado ser colocado no meio? O capitão-chefe disse: Ouça, justo Abraão. Porque o juiz encontrou seus pecados. e as suas retidências são iguais, ele não o cometeu para julgamento nem para ser salvo, até que o juiz de todos venha. Abraão disse ao capitão-chefe: E o que ainda falta para a alma ser salva? O capitão-chefe disse: Se obtiver uma justiça acima de seus pecados, ela entra na salvação. Abraão disse ao capitão-chefe: Chega aqui, chefe-capitão Michael, vamos orar por essa alma e ver se Deus nos ouvirá. O capitão-chefe disse: Amém, seja assim; e eles oraram e pediram pela alma, e Deus os ouviu, e quando se levantaram de suas orações, não viram a alma parada ali. E disse Abraão ao anjo: Onde está a alma que tiveste no meio? E o anjo respondeu: Ele foi salvo por tua oração justa, e eis que um anjo de luz o tomou e levou para o Paraíso. Abraão disse: Eu glorifico o nome de Deus, o Altíssimo, e sua incomensurável misericórdia. E Abraão disse ao capitão-chefe, peço-te, arcanjo, ouve a minha oração, e vamos ainda invocar o Senhor, suplicar sua compaixão e suplicar sua misericórdia pelas almas dos pecadores que eu, antigamente, raiva, amaldiçoada e destruída, a quem a terra devorou, e as feras despedaçaram, eo fogo consumiu através de minhas palavras. Agora sei que pequei diante do Senhor nosso Deus. Venha então, ó Michael, capitão-mor das hostes acima, vamos chamar a Deus com lágrimas para que me perdoe o meu pecado e entregue-as a mim. E o chefe-capitão ouviu-o, e eles fizeram súplica perante o Senhor, e quando eles tinham chamado por um longo espaço, veio uma voz do céu, dizendo: Abraão, Abraão, eu tenho escutado a tua voz e tua oração, e perdoa-te o teu pecado, e aqueles que julgas que destruí, convoquei e trouxe-os à vida pela minha extrema bondade, porque por algum tempo os tenho retribuído no juízo, e os que destroço vivem na terra. não requite na morte.

XV. E a voz do Senhor disse ao capitão Michael, Michael, meu servo, e retribua Abraão até sua casa, porque eis que seu fim está próximo, e a medida de sua vida se cumpriu, para que ele possa estabelecer todas as coisas. em ordem e, em seguida, levá-lo e trazê-lo para mim. Então o capitão-chefe, virando a carruagem e a nuvem, trouxe Abraão para sua casa e, indo para seu quarto, sentou-se em seu leito. E Sara, sua esposa, veio e abraçou os pés do incorpóreo, e falou humildemente, dizendo: Obrigado, meu Senhor, que trouxeste meu Senhor Abraão, pois eis que achávamos que ele havia sido arrebatado de nós. E seu filho Isaac também veio e caiu em seu pescoço, e da mesma forma todos os seus escravos e escravas cercaram Abraão e o abraçaram, glorificando a Deus. E o incorpóreo disse-lhes, Hearken, justo Abraão. Eis a tua mulher Sara, eis também o teu amado filho Isaque, eis também todos os teus servos e servas ao redor de ti. Faz de tudo o que tens, pois já chegou o dia em que deixarás o corpo e irás ao Senhor uma vez por todas. Abraão disse: Disse o Senhor ou dizes tu de ti mesmo? O capitão-chefe respondeu: Ouvi, justo Abraão. O Senhor ordenou e eu te digo. Abraão disse: Eu não irei contigo. O capitão-mor, ouvindo estas palavras, saiu logo da presença de Abraão e subiu aos céus; pôs-se diante de Deus, o Altíssimo, e disse: Senhor Todo-Poderoso, eis que tenho escutado ao Teu amigo Abraão em tudo o que ele disse a Ti e cumpriu seus pedidos. Mostrei-lhe o teu poder e toda a terra e o mar que está debaixo do céu. Eu lhe mostrei juízo e recompensa por meio de nuvens e carros, e novamente ele diz: Eu não irei contigo. E o Altíssimo disse ao anjo: Meu amigo Abraão diz assim novamente, eu não irei contigo? O arcanjo disse, Senhor Todo Poderoso, ele diz assim, e eu me refrearei de impor as mãos sobre ele, porque desde o princípio ele é Teu amigo, e fez todas as coisas agradáveis ​​aos Teus olhos. Não há homem como ele na terra, nem mesmo Jó o homem maravilhoso, e por isso me refreio de impor as mãos sobre ele. Comando, portanto, Rei Imortal, o que deve ser feito. e me refrearei de impor as mãos sobre ele, porque desde o princípio ele é Teu amigo e fez todas as coisas agradáveis ​​a Tua vista. Não há homem como ele na terra, nem mesmo Jó o homem maravilhoso, e por isso me refreio de impor as mãos sobre ele. Comando, portanto, Rei Imortal, o que deve ser feito. e me refrearei de impor as mãos sobre ele, porque desde o princípio ele é Teu amigo e fez todas as coisas agradáveis ​​a Tua vista. Não há homem como ele na terra, nem mesmo Jó o homem maravilhoso, e por isso me refreio de impor as mãos sobre ele. Comando, portanto, Rei Imortal, o que deve ser feito.

XVI. Então o Altíssimo disse: Chame-me a morte que é chamada de semblante desavergonhado e aparência impiedosa. E Miguel, o incorpóreo, foi e disse à Morte: Vem cá; o Senhor da criação, o rei imortal, te chama. E a Morte, ouvindo isso, estremeceu e tremeu, sendo possuída com grande terror, e vindo com grande medo, parou diante do pai invisível, tremendo, gemendo e tremendo, aguardando o mandamento do Senhor. Portanto, o Deus invisível disse à morte: Vem para cá, amargurado e feroz nome do mundo, esconde a tua ferocidade, cobre a tua corrupção, e tira a tua amargura de ti, veste a tua beleza e toda a tua glória e desce Abraão, meu amigo, e pegue-o e traga-o para mim. Mas agora também te digo que não o aterrorize, mas traga-o com bom discurso, pois ele é meu próprio amigo. Tendo ouvido isto, a Morte saiu da presença do Altíssimo, e vestiu uma túnica de grande brilho, e fez sua aparição como o sol, e tornou-se bela e bela acima dos filhos dos homens, assumindo a forma de um arcanjo, tendo suas bochechas ardendo em chamas, e ele partiu para Abraão. Ora, o justo Abraão saiu de sua câmara e sentou-se sob as árvores de Mamre, segurando o queixo na mão e aguardando a vinda do arcanjo Miguel. E eis que um cheiro de odor suave veio a ele, e um lampejo de luz, e Abraão virou e viu a morte vindo em sua direção em grande glória e beleza. E Abraão se levantou e foi ao seu encontro, pensando que era o chefe-capitão de Deus, e a Morte que o observava o saudou, dizendo: Alegra-te, precioso Abraão, alma justa, verdadeiro amigo do Deus Altíssimo, e companheiro dos santos anjos. Abraão disse à Morte: Salve tu de aparência e forma como o sol, o mais glorioso ajudante, portador da luz, homem maravilhoso, de onde vem a tua glória a nós, e quem és tu, e de onde vens? Então a morte disse: "Muito, justo Abraão, eis que eu te digo a verdade". Eu sou o amargo da morte. Abraão disse-lhe: Não, mas tu és a comelhança do mundo, tu és a glória e a beleza de anjos e homens, tu és mais justo em forma do que qualquer outro, e dizes tu: Eu sou o amargo monte da morte, e não pelo contrário, sou mais justo do que qualquer coisa boa. A morte disse, eu te digo a verdade. O que o Senhor me nomeou, isso também eu te digo. Abraão disse: Por que vens aqui? A morte disse: Por tua santa alma eu venho. Então Abraão disse: Eu sei o que tu és, mas não irei contigo;

XVII. Então Abraão se levantou e entrou em sua casa, e a morte também o acompanhou até lá. E Abraham subiu em seu quarto, e a morte subiu com ele. E Abraão deitou-se no seu leito, e a morte veio e sentou-se a seus pés. Então disse Abraão: Vai, aparta-te de mim, porque desejo descansar no meu leito. A morte disse, eu não partirá até que eu tire o teu espírito de ti. Abraão disse-lhe: Pelo Deus imortal, eu te ordeno a dizer-me a verdade. És tu a morte? A morte disse a ele: eu sou a morte. Eu sou o destruidor do mundo. Abraão disse, peço-te, já que és a Morte, dize-me se tu assim vem a todos com tanta justiça e glória e beleza? A morte disse: Não, meu Senhor Abraão, pelas tuas justiças, e o mar ilimitado da tua hospitalidade, e a grandeza do teu amor para com Deus tornou-se uma coroa sobre a minha cabeça. e em beleza e grande paz e gentileza eu me aproximo dos justos, mas para os pecadores eu venho em grande corrupção e ferocidade e a maior amargura e com um olhar feroz e impiedoso. Abraão disse, peço-te, escutai-me e mostra-me a tua fúria e toda a tua corrupção e amargura. E a morte disse: Tu não podes ver a minha ferocidade, a maioria dos justos Abraão. Abraão disse: Sim, eu poderei contemplar toda a tua ferocidade por meio do nome do Deus vivo, pois o poder do meu Deus que está no céu está comigo. Então a Morte despojou toda a sua beleza e beleza, e toda a sua glória e a forma como o sol com o qual ele estava vestido, e colocou sobre si um manto de tirano, e fez a sua aparência sombria e feroz que todos os tipos de animais selvagens, e mais impuro do que toda impureza. E mostrou a Abraão sete cabeças de serpentes e quatorze faces de fogo flamejante e de grande fúria, e um rosto de trevas, e um rosto sombrio de víbora, e rosto do mais terrível precipício; e um rosto mais feroz do que um asp, e um rosto de um leão terrível, e um rosto de um ceraste e basilisco. Mostrou-lhe também o rosto de uma cimitarra ígnea, um rosto com uma espada e um relâmpago, relâmpagos terríveis, e um ruído de trovão terrível. Ele mostrou-lhe também outro rosto de um mar tempestuoso e feroz, e um rio correndo feroz, e uma terrível serpente de três cabeças, e uma taça misturada com venenos, e em resumo ele mostrou-lhe grande ferocidade e amargura insuportável, e cada doença mortal a partir do odor da morte.

XVIII. E o todo-sagrado Abraão, vendo estas coisas assim, disse à Morte, peço-te, a Morte que destrói tudo, esconde a tua ferocidade e veste a tua beleza e a forma que tu tens antes. E imediatamente a Morte escondeu sua ferocidade e colocou em sua beleza que ele tinha antes. E disse Abraão à morte: Por que fizeste isto, que mataste todos os meus servos e servas? Deus te enviou para cá para este fim? A morte disse: Não, meu Senhor Abraão, não é como tu dizes, mas por tua causa fui mandado para cá. Abraão disse à morte, como então estes morreram? O Senhor não falou isso? A morte disse: Crês tu, o mais virtuoso Abraão, que isto também é maravilhoso, que também não foste levado consigo. Todavia te digo a verdade, porque se a destra de Deus não estivesse contigo naquele tempo, tu também teria que partir desta vida. O justo Abraão disse, Agora eu sei que eu cheguei à indiferença da morte, de modo que meu espírito falhe, mas eu peço-te, toda-destruidora Morte, uma vez que meus servos morreram antes de seu tempo, venha, vamos orar ao Senhor nosso Deus que ele possa nos ouvir e levantar aqueles que morreram pela tua ferocidade antes do tempo deles. E a morte disse: Amém, seja assim. Portanto, Abraão se levantou e caiu sobre a face da terra em oração, e a Morte juntamente com ele, e o Senhor enviou um espírito de vida sobre aqueles que estavam mortos e eles foram tornados vivos novamente. Então o justo Abraão deu glória a Deus. desde que os meus servos morreram antes do tempo, oremos ao Senhor nosso Deus, para que ele nos ouça e desperte os que morreram pela tua fúria perante o seu tempo. E a morte disse: Amém, seja assim. Portanto, Abraão se levantou e caiu sobre a face da terra em oração, e a Morte juntamente com ele, e o Senhor enviou um espírito de vida sobre aqueles que estavam mortos e eles foram tornados vivos novamente. Então o justo Abraão deu glória a Deus. desde que os meus servos morreram antes do tempo, oremos ao Senhor nosso Deus, para que ele nos ouça e desperte os que morreram pela tua fúria perante o seu tempo. E a morte disse: Amém, seja assim. Portanto, Abraão se levantou e caiu sobre a face da terra em oração, e a Morte juntamente com ele, e o Senhor enviou um espírito de vida sobre aqueles que estavam mortos e eles foram tornados vivos novamente. Então o justo Abraão deu glória a Deus.

XIX. E, subindo para o seu quarto, deitou-se e a morte veio e parou diante dele. E Abraão disse-lhe: Afasta-te de mim, porque desejo descansar, porque o meu espírito está em indiferença. A morte disse: Eu não me afastarei de ti até que tome a tua alma. E Abraão com um semblante austero e olhar raivoso disse à Morte: Quem te ordenou dizer isto? Tu dizes estas palavras de ti mesmo com orgulho, e eu não irei contigo até que o chefe-capitão Michael venha a mim, e eu irei com ele. Mas também isto eu te digo: se queres que eu te acompanhe, explica-me todas as tuas mudanças, as sete cabeças ígneas de serpentes e qual é a face do precipício, e qual a espada afiada, e qual o ruidoso rugido. rio, e que o mar tempestuoso que se enfurece tão ferozmente. Ensina-me também o trovão insuportável, e o terrível relâmpago e o cálice malcheiroso misturado com venenos. Ensina-me a respeito de tudo isso. E a morte respondeu: Ouça, justo Abraão. Por sete eras, eu destruo o mundo e conduzo todos ao Hades, reis e governantes, ricos e pobres, escravos e homens livres, eu escolto até o fundo do Hades, e para isto mostrei-te as sete cabeças de serpentes. A face do fogo te mostrei porque muitos morrem consumidos pelo fogo, e contemplam a morte através de uma face de fogo. O rosto do precipício eu te mostrei, porque muitos homens morrem descendo do topo das árvores ou precipícios terríveis e perdem a vida, e vêem a morte na forma de um terrível precipício. O rosto da espada eu te mostrei porque muitos são mortos em guerras pela espada e vêem a morte como uma espada. O rosto do grande rio correndo eu te mostrei porque muitos são afogados e perecem arrebatados pelo cruzamento de muitas águas e levados por grandes rios, e vêem a morte antes do tempo deles. O rosto do furioso mar revolto eu te mostrei porque muitos no mar caindo em grandes ondas e naufragando são engolidos e contemplam a morte como o mar. O trovão insuportável e o terrível relâmpago eu te mostrei porque muitos homens no momento da ira encontram um trovão insuportável e um relâmpago terrível vindo para agarrar os homens e ver a morte assim. Eu te mostrei também as feras venenosas, asps e basiliscos, leopardos e leões e filhotes de leões, ursos e víboras, e em resumo a face de toda fera que te mostrei, a mais justa, porque muitos homens são destruídos por feras e outros por cobras venenosas serpentes e aspas e cerastes e basiliscos e víboras, expiram sua vida e morrem. Mostrei-te também as taças destruidoras mescladas com veneno, porque muitos homens recebendo veneno para beber por outros homens saem de repente.

XX Abraão disse, eu te peço, há também uma morte inesperada? Conte-me. A morte disse: Em verdade, em verdade te digo que na verdade de Deus há setenta e duas mortes. Uma é a morte justa, comprando seu tempo fixo, e muitos homens em uma hora entram na morte sendo entregues ao túmulo. Eis que eu te tenho dito tudo o que pediste, agora te digo, o mais virtuoso Abraão, para rejeitar todo conselho, e deixa de pedir qualquer coisa de uma vez por todas, e ir, ir comigo, como o Deus e juiz de todos tem. me comandou. Abraão disse à Morte: Afasta-se de mim um pouco, para que eu possa descansar no meu leito, pois sou muito fraca no coração, pois desde que te vi com os olhos a minha força falhou, todos os membros da minha carne parecem para mim um peso como de chumbo, e meu espírito está extremamente angustiado. Parta para um pouco; porque eu disse que não suporto ver a tua forma. Então Isaac, seu filho, veio e caiu sobre seu peito chorando, e sua esposa Sarah veio e abraçou seus pés, lamentando amargamente. Vieram também seus homens escravos e escravas e cercaram seu leito, lamentando muito. E Abraão entrou em indiferença da morte, e a morte disse a Abraão: "Venha, tome a minha mão direita, e que a alegria, a vida e a força cheguem até você." Porque a morte enganou Abraão, e tomou a mão direita, e imediatamente a sua alma aderiu à mão da morte. E imediatamente o arcanjo Miguel veio com uma multidão de anjos e tomou sua preciosa alma em suas mãos em um tecido de linho divinamente tecido, e eles cuidaram do corpo do justo Abraão com unguentos e perfumes divinos até o terceiro dia após sua morte, e enterrou-o na terra da promessa, o carvalho de Mamre, mas os anjos receberam sua preciosa alma e ascenderam ao céu, cantando o hino de "três vezes santo" ao Senhor, o Deus de todos, e colocaram-no ali para adorar a Deus e ao Pai. E depois de grande louvor e glória ter sido dado ao Senhor, e Abraão se curvou para adorar, veio a voz imaculada do Deus e Pai dizendo assim: Leva, pois, meu amigo Abraão ao Paraíso, onde estão as tendas dos meus justos, e as moradas de meus santos Isaac e Jacob em seu seio, onde não há problemas, nem tristeza, nem suspiros, mas paz e alegria e vida sem fim. (E também nós, meus amados irmãos, imitemos a hospitalidade do patriarca Abraão e alcancemos seu modo de vida virtuoso, a fim de que sejamos considerados dignos da vida eterna, glorificando o Pai, o Filho e o Espírito Santo; a quem seja glória e poder para sempre. Um homem.).

Notas de rodapé

[3991] Literalmente comandante-chefe ou chefe-geral. [3992] Dois mss. leia: "De nosso Senhor Jesus Cristo".

.

Versão II.

I. E sucedeu que, quando os dias da morte de Abraão aproximou-se, que o Senhor disse a Michael: Levanta-te e ir para Abraão, meu servo, e dizer-lhe: Tu afastar-vida, de verdade! os dias da tua vida temporal são cumpridos, para que ele coloque a sua casa em ordem antes de morrer.

II. E Michael foi e veio a Abraão, e encontrou-o sentado diante de seus bois para lavrar, e ele estava muito velho na aparência, e teve seu filho em seus braços. Abraão, portanto, vendo o arcanjo Miguel, levantou-se do chão e saudou-o, não sabendo quem ele era, e disse-lhe: O Senhor te preserve. Que a tua jornada seja próspera contigo. E Michael lhe respondeu: Tu és bom pai. Abraão respondeu e disse-lhe: Vem, aproxima-te de mim, irmão, e senta-te um pouco, para que eu ordene que uma besta seja trazida, para que possamos ir a minha casa, e possa descansar comigo, pois é ao anoitecer, e de manhã subir e ir aonde quer que tu queres, para que algum animal maligno não te encontre e te faça mal. E Michael perguntou a Abraão, dizendo: Diga-me o teu nome, antes de eu entrar em tua casa, para que eu não seja pesado para ti. Abraão respondeu e disse: Meus pais me chamaram Abrão, e o Senhor me chamou de Abraão, dizendo: Levanta-te e sai da tua casa e da tua parentela, e vai para a terra que te mostrarei. E quando fui para a terra que o Senhor me mostrou, ele me disse: O teu nome não será mais chamado Abrão, mas teu nome será Abraão. Respondeu-lhe Miguel: Perdoe-me, meu pai, homem experimentado de Deus, porque sou um estranho, e tenho ouvido dizer que tu tens quarenta estádios e mataste uma cabra e matado, entretendo anjos na tua casa. , que eles possam descansar lá. Assim falando juntos, eles se levantaram e foram em direção à casa. E chamou Abraão um dos seus servos, e disse-lhe: Vai, traze-me uma besta que o estrangeiro possa sentar-se sobre ela, pois está cansado com a sua viagem.

III E surgindo eles prosseguiram, e quando se aproximavam da cidade, cerca de três estádios, encontraram uma grande árvore com trezentos ramos, como uma tamargueira. E ouviram uma voz de seus ramos cantando: "Santo és, porque guardaste o propósito para o qual foste enviado." E Abraão ouviu a voz e escondeu o mistério no seu coração, dizendo dentro de si: Qual é o mistério que tenho ouvido? Ao entrar em casa, Abraão disse aos seus servos: Levanta-te, vai ao rebanho, e traz três ovelhas, e mata-as rapidamente, e prepara-as para que comamos e bebamos, porque este dia é para nós um banquete . E os servos trouxeram as ovelhas, e Abraão chamou seu filho Isaac, e disse-lhe: Meu filho Isaac, levantar-se e colocar a água no vaso que podemos lavar os pés deste estranho. E ele trouxe como ele foi ordenado, e Abraão disse: Eu percebo, e assim será, que nesta bacia eu nunca mais lavarei os pés de qualquer homem vindo a nós como convidado. E Isaque, ao ouvir seu pai dizer isto, chorou e disse-lhe: Pai meu, que é isto que dizes: Esta é minha última vez para lavar os pés de um estranho? E Abraão vendo seu filho chorando, também chorou muito, e Miguel vendo-os chorando, chorou também, e as lágrimas de Michael caíram sobre o vaso e se tornaram uma pedra preciosa.

IV. Quando Sara, estando dentro de casa, ouviu o seu choro, saiu e disse a Abraão, Senhor, por que é que choras assim? Abraão respondeu e disse-lhe: Não é mal. Vai à tua casa e faz o teu trabalho, para que não sejamos perturbadores para o homem. E Sarah foi embora, preparando-se para o jantar. E o sol chegou perto de se pôr, e Miguel saiu da casa, e foi levado para o céu para adorar perante Deus, pois ao pôr do sol todos os anjos adoram a Deus e o próprio Michael é o primeiro dos anjos. E todos eles o adoraram, e foram para o seu próprio lugar, mas Michael falou perante o Senhor e disse: Senhor, manda-me ser interrogado diante da tua glória sagrada! E o Senhor disse a Michael: Anunciai tudo o que tu queres! E o Arcanjo respondeu e disse: Senhor, enviaste-me a Abraão para dizer-lhe: Parta do teu corpo e deixe este mundo; o Senhor te chama; e não ouso, Senhor, revelar-me a ele, pois ele é teu amigo, e um homem justo, e aquele que recebe estranhos. Mas eu peço-te, Senhor, ordene a lembrança da morte de Abraão para entrar em seu próprio coração, e não me diga a ele, pois é grande brusquidão dizer: Deixa o mundo, e especialmente deixar o próprio corpo, porque tu o criaste desde o princípio para ter pena das almas de todos os homens. Então, o Senhor disse a Michael: Levanta-te, vai a Abraão e hospeda-se nele; e tudo o que vês ele comer também comerá, e onde quer que ele dormir, tu também dormirás lá. Pois eu vou lançar o pensamento da morte de Abraão no coração de Isaac seu filho em um sonho. revela-me a ele, pois ele é teu amigo, e um homem justo, e aquele que recebe estranhos. Mas eu peço-te, Senhor, ordene a lembrança da morte de Abraão para entrar em seu próprio coração, e não me diga a ele, pois é grande brusquidão dizer: Deixa o mundo, e especialmente deixar o próprio corpo, porque tu o criaste desde o princípio para ter pena das almas de todos os homens. Então, o Senhor disse a Michael: Levanta-te, vai a Abraão e hospeda-se nele; e tudo o que vês ele comer também comerá, e onde quer que ele dormir, tu também dormirás lá. Pois eu vou lançar o pensamento da morte de Abraão no coração de Isaac seu filho em um sonho. revela-me a ele, pois ele é teu amigo, e um homem justo, e aquele que recebe estranhos. Mas eu peço-te, Senhor, ordene a lembrança da morte de Abraão para entrar em seu próprio coração, e não me diga a ele, pois é grande brusquidão dizer: Deixa o mundo, e especialmente deixar o próprio corpo, porque tu o criaste desde o princípio para ter pena das almas de todos os homens. Então, o Senhor disse a Michael: Levanta-te, vai a Abraão e hospeda-se nele; e tudo o que vês ele comer também comerá, e onde quer que ele dormir, tu também dormirás lá. Pois eu vou lançar o pensamento da morte de Abraão no coração de Isaac seu filho em um sonho. ordena a lembrança da morte de Abraão para entrar em seu próprio coração, e não me diga a ele, pois é uma grande brusquidão dizer: Deixe o mundo, e especialmente deixar o próprio corpo, porque tu o criaste do começando a ter pena das almas de todos os homens. Então, o Senhor disse a Michael: Levanta-te, vai a Abraão e hospeda-se nele; e tudo o que vês ele comer também comerá, e onde quer que ele dormir, tu também dormirás lá. Pois eu vou lançar o pensamento da morte de Abraão no coração de Isaac seu filho em um sonho. ordena a lembrança da morte de Abraão para entrar em seu próprio coração, e não me diga a ele, pois é uma grande brusquidão dizer: Deixe o mundo, e especialmente deixar o próprio corpo, porque tu o criaste do começando a ter pena das almas de todos os homens. Então, o Senhor disse a Michael: Levanta-te, vai a Abraão e hospeda-se nele; e tudo o que vês ele comer também comerá, e onde quer que ele dormir, tu também dormirás lá. Pois eu vou lançar o pensamento da morte de Abraão no coração de Isaac seu filho em um sonho. e tudo o que o visses comer também come, e onde quer que ele durma, tu também dorme lá. Pois eu vou lançar o pensamento da morte de Abraão no coração de Isaac seu filho em um sonho. e tudo o que o visses comer também come, e onde quer que ele durma, tu também dorme lá. Pois eu vou lançar o pensamento da morte de Abraão no coração de Isaac seu filho em um sonho.

V. Então Michael entrou na casa de Abraão naquela noite, e os encontrou preparando o jantar, e eles comeram, beberam e se divertiram. E Abraão disse a seu filho Isaque, Levante-se, meu filho, e abriu o leito do homem para que ele pudesse dormir, e colocou a lâmpada sobre o suporte. E Isaque fez como seu pai lhe ordenara, e Isaque disse a seu pai: Eu também estou indo dormir ao seu lado. Abraão respondeu-lhe: Não, meu filho, para que não sejamos perturbadores para este homem, mas vá para o teu próprio quarto e durma. E Isaque não desejava desobedecer ao comando de seu pai, foi embora e dormiu em seu próprio quarto.

VI. E aconteceu por volta da sétima hora da noite em que Isaque acordou, e foi até a porta do quarto de seu pai, clamando e dizendo: Abra, pai, para que eu toque em ti antes que eles te tirem de mim. Abraão levantou-se e abriu-se para ele, e Isaac entrou e se pendurou no pescoço do pai, chorando, e beijou-o com lamentações. E Abraão chorou junto com seu filho, e Miguel os viu chorando e chorando do mesmo modo. E Sarah, ouvindo-os a chorar, chamou do seu quarto de dormir, dizendo: Meu Senhor Abraão, por que está chorando? O estranho te contou do filho de teu irmão Ló que ele está morto? ou algo mais nos aconteceu? Respondeu Michael e disse a Sara: Não, Sara, não trouxe notícias de Ló, mas eu sabia de toda a vossa bondade de coração, que nele sobressaísseis a todos os homens na terra, e o Senhor se lembrou de ti. Então Sara disse a Abraão: Como é que tu choraste quando o homem de Deus veio a ti, e porque é que os teus olhos derramaram lágrimas hoje porque há grande regozijo? Abraão disse-lhe: Como sabes que isto é um homem de Deus? Respondeu Sarah e disse: Porque eu digo e declaro que este é um dos três homens que foram entretidos por nós no carvalho de Mamre, quando um dos criados foi e trouxe uma criança e tu a mataste, e disseste para mim Levanta-te, prepara-te para que comamos com estes homens em nossa casa. Abraão respondeu e disse: Tu percebeste bem, ó mulher, pois eu também, quando lavei seus pés, sabia em meu coração que estes eram os pés que eu havia lavado no carvalho de Mamre, e quando comecei a perguntar sobre sua jornada. ele disse para mim, eu vou preservar Lot teu irmão dos homens de Sodoma, e então eu conheci o mistério.

VII. E Abraão disse a Michael: Diga-me, homem de Deus, e mostre-me por que vieste aqui. E Michael disse: Teu filho Isaac te mostrará. E disse Abraão a seu filho: Meu amado filho, conta-me o que viste no teu sonho de hoje e ficou amedrontado. Relate isso para mim. Isaque respondeu a seu pai, vi em meu sonho o sol e a lua, e havia uma coroa sobre minha cabeça, e veio do céu um homem de grande tamanho, e resplandecente como a luz que é chamada pai da luz. Ele tirou o sol da minha cabeça e ainda deixou os raios para trás comigo. E eu chorei e disse, peço-te, meu Senhor, não tire a glória da minha cabeça, ea luz da minha casa, e toda a minha glória. E o sol e a lua e as estrelas lamentaram, dizendo: Não tire a glória do nosso poder. E aquele homem brilhante respondeu e disse para mim: Não choreis que eu tomo a luz da tua casa, pois ela é levada dos problemas para o descanso, e dos baixos para os altos; eles o elevam de um lugar estreito para um largo; eles o elevam das trevas para a luz. E eu disse a ele, peço-te, Senhor, leva também os raios com ele. Ele disse-me: São doze horas do dia e depois tomo todos os raios. Quando o homem brilhante disse isso, vi o sol da minha casa subindo ao céu, mas aquela coroa não vi mais, e esse sol era como o meu pai. E disse Michael a Abraão: Teu filho Isaac falou a verdade, pois irás e serás levado para os céus, mas o teu corpo permanecerá na terra até que se completem sete mil eras, porque então toda a carne se erguerá. Agora, pois, Abraão, ponha a tua casa em ordem e teus filhos, porque tu tens ouvido plenamente o que é decretado a teu respeito. Abraão respondeu e disse a Michael, peço-te, Senhor, se eu me afastar do meu corpo, eu desejei ser levado em meu corpo para que eu possa ver as criaturas que o Senhor meu Deus criou no céu e na terra. Respondeu-lhe Miguel: Isto não é para eu fazer, mas eu irei e darei voz ao Senhor, e se me ordenar, mostrar-te-ei todas estas coisas.

VIII. E Miguel subiu ao céu, e falou perante o Senhor a respeito de Abraão, e o Senhor respondeu a Michael: Vai, levanta Abraão no corpo e mostra-lhe todas as coisas, e tudo quanto te disser a respeito de meu amigo . Então Miguel saiu e pegou Abraão no corpo em uma nuvem, e o levou para o rio do Oceano.

XII E depois que Abraão viu o lugar do juízo, a nuvem o derrubou no firmamento abaixo, e Abraão, olhando para baixo, viu um homem cometendo adultério com uma mulher casada. E Abraão, voltando-se, disse a Michael: Vês tu esta maldade? mas, Senhor, envie fogo do céu para consumi-los. E logo desceu fogo, e os consumiu, porque o Senhor dissera a Michael: Tudo o que Abraão te pedir a fazer por ele, faze. Abraão olhou de novo, e viu outros homens repreendendo seus companheiros, e disse: “Deixe a terra abrir e engula-os, e enquanto ele falava, a terra os engolia vivos”. De novo a nuvem levou-o a outro lugar, e Abraão viu alguns indo a um lugar deserto para cometer um crime, e disse a Michael: Vês tu essa maldade? mas deixem feras do deserto e as despedaçam, e nessa mesma hora animais selvagens saíram do deserto e os devoraram. Então o Senhor Deus falou a Michael dizendo: “Afaste Abraão para sua própria casa, e não deixe que ele ande em volta de toda a criação que eu fiz, porque ele não tem compaixão dos pecadores, mas eu tenho compaixão dos pecadores para que eles se voltem e viva, e arrependa-se de seus pecados e seja salvo.

(VIII) Abraão olhou e viu dois portões, um pequeno e outro grande, e entre as duas portas estava sentado um homem sobre um trono de grande glória, e uma multidão de anjos ao redor dele, e ele estava chorando, e novamente rindo, mas seu choro excedeu seu riso sete vezes. E Abraão disse a Michael: Quem é este que está entre os dois portões em grande glória? às vezes ele ri e às vezes ele chora, e seu choro excede seu riso sete vezes? E Miguel disse a Abraão: Não sabes quem é? E ele disse: Não, Senhor. E disse Michael a Abraão: Vês estes dois portões, o pequeno e o grande? São eles que levam à vida e à destruição. Este homem que se senta entre eles é Adão, o primeiro homem a quem o Senhor criou, e colocou-o neste lugar para ver toda alma que se afasta do corpo, vendo que tudo é dele. Quando, portanto, você vê-lo chorando, saiba que ele viu muitas almas sendo levadas à destruição, mas quando você o vê rindo, ele viu muitas almas serem levadas à vida. Viste como o seu choro excede o riso? Visto que ele vê a maior parte do mundo sendo levada através do amplo portão para a destruição, portanto, seu choro excede seu riso sete vezes.

IX. E Abraão disse: E aquele que não pode entrar pela porta estreita não pode entrar em vida? Então Abraão chorou, dizendo: Ai de mim, que farei? porque eu sou um homem largo de corpo e como poderei entrar pela porta estreita pela qual um menino de quinze anos não pode entrar? Respondeu Miguel, e disse a Abraão: Não temas, pai, nem pereça, porque entrarás sem entraves, e todos os que são semelhantes a ti. E como Abraão ficou de pé e se maravilhou, eis um anjo do Senhor levando sessenta mil almas de pecadores à destruição. E Abraão disse a Michael: Todos estes entram em destruição? E disse-lhe Michael: Sim, mas vamos procurar entre essas almas, se entre elas houver um justo. E quando eles foram, encontraram um anjo segurando em sua mão uma alma de uma mulher dentre estes sessenta mil, porque ele tinha encontrado seus pecados pesando igualmente com todas as suas obras, e eles não estavam nem em movimento nem em repouso, mas em um estado intermediário; mas as outras almas ele levou para a destruição. Abraão disse a Michael, Senhor, este é o anjo que remove as almas do corpo ou não? Miguel respondeu e disse: Isto é morte, e ele os conduz ao lugar do julgamento, para que o juiz os julgue.

X. E Abraham disse, meu senhor, eu suplico-te conduzir-me ao lugar do julgamento de modo que eu também possa ver como são julgados. Então Miguel tomou Abraão sobre uma nuvem e o conduziu ao Paraíso, e quando ele chegou ao lugar onde o juiz estava, o anjo veio e deu aquela alma ao juiz. E a alma disse: Senhor, tem misericórdia de mim. E o juiz disse: Como terei misericórdia de ti, quando não tiveste misericórdia da tua filha, que és tu, o fruto do teu ventre? Por que a mataste? Respondeu: Não, Senhor, a matança não foi feita por mim, mas minha filha mentiu sobre mim. Mas o juiz ordenou que ele viesse e anotasse os registros, e contemplasse os querubins carregando dois livros. E havia com eles um homem de grande estatura, tendo sobre a cabeça três coroas, e uma coroa era mais alta que as outras duas. Estas são chamadas as coroas do testemunho. E o homem tinha na mão uma caneta de ouro, e o juiz disse-lhe: Exponha o pecado desta alma. E aquele homem, abrindo um dos livros dos querubins, procurou o pecado da alma da mulher e encontrou-o. E o juiz disse: Ó alma infeliz, por que dizes que não fizeste assassinato? Não fizeste, depois da morte do teu marido, adultério com o marido da tua filha e mata-a? E ele a condenou também por seus outros pecados, tudo o que ela havia feito desde a juventude. Ouvindo estas coisas a mulher gritou, dizendo: Ai de mim, todos os pecados que fiz no mundo esqueci, mas aqui eles não foram esquecidos. Então eles a levaram embora e a entregaram aos atormentadores. Exiba o pecado dessa alma. E aquele homem, abrindo um dos livros dos querubins, procurou o pecado da alma da mulher e encontrou-o. E o juiz disse: Ó alma infeliz, por que dizes que não fizeste assassinato? Não fizeste, depois da morte do teu marido, adultério com o marido da tua filha e mata-a? E ele a condenou também por seus outros pecados, tudo o que ela havia feito desde a juventude. Ouvindo estas coisas a mulher gritou, dizendo: Ai de mim, todos os pecados que fiz no mundo esqueci, mas aqui eles não foram esquecidos. Então eles a levaram embora e a entregaram aos atormentadores. Exiba o pecado dessa alma. E aquele homem, abrindo um dos livros dos querubins, procurou o pecado da alma da mulher e encontrou-o. E o juiz disse: Ó alma infeliz, por que dizes que não fizeste assassinato? Não fizeste, depois da morte do teu marido, adultério com o marido da tua filha e mata-a? E ele a condenou também por seus outros pecados, tudo o que ela havia feito desde a juventude. Ouvindo estas coisas a mulher gritou, dizendo: Ai de mim, todos os pecados que fiz no mundo esqueci, mas aqui eles não foram esquecidos. Então eles a levaram embora e a entregaram aos atormentadores. por que dizes que não fizeste assassinato? Não fizeste, depois da morte do teu marido, adultério com o marido da tua filha e mata-a? E ele a condenou também por seus outros pecados, tudo o que ela havia feito desde a juventude. Ouvindo estas coisas a mulher gritou, dizendo: Ai de mim, todos os pecados que fiz no mundo esqueci, mas aqui eles não foram esquecidos. Então eles a levaram embora e a entregaram aos atormentadores. por que dizes que não fizeste assassinato? Não fizeste, depois da morte do teu marido, adultério com o marido da tua filha e mata-a? E ele a condenou também por seus outros pecados, tudo o que ela havia feito desde a juventude. Ouvindo estas coisas a mulher gritou, dizendo: Ai de mim, todos os pecados que fiz no mundo esqueci, mas aqui eles não foram esquecidos. Então eles a levaram embora e a entregaram aos atormentadores.

XI. E Abraão disse a Michael, Senhor, quem é este juiz, e quem é o outro que convence os pecados? E Miguel disse a Abraão: Vês tu o juiz? Este é Abel, que primeiro testificou, e Deus o trouxe para cá para julgar, e aquele que dá testemunho aqui é o mestre do céu e da terra, e o escriba da justiça, Enoque, pois o Senhor os enviou aqui para anotar os pecados e retidão de cada um. Abraão disse, E como pode Enoque suportar o peso das almas, não tendo visto a morte? ou como ele pode dar sentença a todas as almas? Michael disse: Se ele faz uma sentença concernente às almas, isso não é permitido; mas o próprio Enoque não dá sentenças, mas é o Senhor quem faz isso, e ele não tem mais o que fazer senão apenas escrever. Pois Enoque orou ao Senhor dizendo: Eu não desejo, Senhor, dar sentença sobre as almas, para que eu não seja penoso para ninguém; e o Senhor disse a Enoque, eu te ordenarei que anuncie os pecados da alma que faz a expiação e ela entrará em vida, e se a alma não fizer expiação e se arrepender, você encontrará seus pecados escritos e será lançado em punição. E na hora nona, Michael trouxe Abraham de volta a sua casa. Mas Sara, sua esposa, não vendo o que havia acontecido com Abraão, foi consumida pela tristeza e abandonou o espírito, e depois do retorno de Abraão ele a encontrou morta e a enterrou. E na hora nona, Michael trouxe Abraham de volta a sua casa. Mas Sara, sua esposa, não vendo o que havia acontecido com Abraão, foi consumida pela tristeza e abandonou o espírito, e depois do retorno de Abraão ele a encontrou morta e a enterrou. E na hora nona, Michael trouxe Abraham de volta a sua casa. Mas Sara, sua esposa, não vendo o que havia acontecido com Abraão, foi consumida pela tristeza e abandonou o espírito, e depois do retorno de Abraão ele a encontrou morta e a enterrou.

XIII. Mas quando o dia da morte de Abraão se aproximava, o Senhor Deus disse a Michael: A morte não ousará chegar perto para tirar a alma de meu servo, porque ele é meu amigo, mas vai e adorna a Morte com grande beleza e envia-o assim a Abraão, para que o veja com os olhos. E Michael imediatamente, como foi ordenado, adornou a Morte com grande beleza, e enviou-o assim a Abraão para que ele pudesse vê-lo. E ele sentou-se perto de Abraão, e Abraão vendo a Morte sentado perto dele estava com medo de um grande medo. E a morte disse a Abraão: Salve, alma santo! granizo, amigo do Senhor Deus! granizo, consolação e entretenimento de viajantes! E Abraão disse: Tu és bem-vindo, servo do Altíssimo. Deus. Peço-te, diz-me quem és; e, entrando em minha casa, de comida e de bebida, apartarei de mim. porque desde que te vi sentado perto de mim a minha alma tem estado perturbada. Porque não sou digno de chegar perto de ti, porque és um espírito exaltado e eu sou carne e sangue, e por isso não posso suportar a tua glória, porque vejo que a tua beleza não é deste mundo. E a morte disse a Abraão: Digo-te que, em toda a criação que Deus fez, não foi achado um semelhante a ti, pois até mesmo o próprio Senhor, ao procurar, não encontrou um semelhante em toda a terra. E Abraão disse à Morte: Como te deitas? porque vejo que a tua beleza não é deste mundo. E a morte disse a Abraão: Não pense, Abraão, que esta beleza é minha, ou que venho assim a todo homem. Não, mas se alguém é justo como você, eu tomo coroas e venho a ele, mas se é pecador, eu venho em grande corrupção, e do seu pecado eu faço uma coroa para minha cabeça, e os sacudo com grande medo, para que fiquem desanimados. Abraão, portanto, disse-lhe: E de onde vem a tua beleza? E a morte disse: Não há outro mais cheio de corrupção do que eu. Abraão disse-lhe: E tu és, com efeito, aquele que se chama morte? Ele respondeu e disse: Eu sou o nome amargo. Eu estou chorando ....

XIV E Abraão disse à morte: Mostra-nos a tua corrupção. E a morte manifestou sua corrupção; e ele tinha duas cabeças, uma tinha a face de uma serpente e, por ela, algumas morrem imediatamente por aspas, e a outra cabeça era como uma espada; por isso alguns morrem pela espada como por arcos. Naquele dia, os servos de Abraão morreram com medo da morte, e Abraão os viu orando ao Senhor e os levantou. Mas Deus retornou e removeu a alma de Abraão como num sonho, e o arcanjo Miguel a levou aos céus. E Isaque enterrou seu pai ao lado de sua mãe Sara, glorificando e louvando a Deus, pois a ele é devida glória, honra e adoração, do Pai, Filho e Espírito Santo, agora e sempre e por toda a eternidade. Um homem.

Notas de rodapé

[3993] "Olhos da fonte de luz" é aparentemente o que o texto tem.
 

Informação Avançada

Traduzido por WA Craigie, MA, BA (Oxon.)

Texto editado pelo Rev. Alexander Roberts e James Donaldson e publicado pela primeira vez por T & T Clark em Edimburgo em 1867. Material adicional e notas introdutórias fornecidas para a edição americana de A. Cleveland Coxe, 1886.

A principal página da web ACREDITO (e o índice dos assuntos) está em: ACREDITO Religioso Informações Fonte - Por Alfabetohttp://mb-soft.com/believe/indexaz.html

http://mb-soft.com/believe/txua/abraham0.htm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Significados dos nomes dos “12 FILHOS DE JACÓ”

Qual a distância do caminho de sábado, na Bíblia?

Lia - A Primeira Esposa de Jacó

Na SEMANA passada

Cam - Filho de Noé

Os Significados dos nomes dos “12 FILHOS DE JACÓ”

SETH - 3º Filho de Adão

Lia - A Primeira Esposa de Jacó

Quem foi Teófilo citado em Lucas?

Qual a distância do caminho de sábado, na Bíblia?